Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Libélulas ameaçadas com o desaparecimento acelerado dos pântanos

Libélulas ameaçadas com o desaparecimento acelerado dos pântanos

União Internacional para Conservação da Natureza publica atualização da Lista Vermelha de espécies em risco de extinção. Esta lista ultrapassou, pela primeira vez, as 40 mil espécies. Pântanos estão a desaparecer três vezes mais rápido do que as florestas.

Pinterest Google+
PUB

A destruição de pântanos está a causar o declínio de libélulas em todo o mundo, revela a primeira avaliação global destas espécies na atualização da Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, sigla em inglês).

 

O seu declínio é sintomático da perda generalizada de pântanos e rios de fluxo livre onde se reproduzem, principalmente devido à expansão da agricultura insustentável e da urbanização em todo o mundo.

 

Com esta atualização, o número de espécies em risco de extinção na Lista Vermelha ultrapassou, pela primeira vez, as 40 mil. A Lista Vermelha da IUCN agora inclui 142.577 espécies, das quais 40.084 estão ameaçadas de extinção.

 

VEJA TAMBÉM: MAIS DE 100 LÍDERES MUNDIAIS CELEBRAM ACORDO PARA ACABAR COM DESFLORESTAÇÃO ATÉ 2030

 

Pântanos estão a desaparecer depressa

“Ao revelar a perda global de libélulas, a atualização da Lista Vermelha ressalta a necessidade urgente de proteger os pântanos do mundo e a rica tapeçaria de vida que eles abrigam. Globalmente, esses ecossistemas estão a desaparecer três vezes mais rápido do que as florestas”, diz Bruno Oberle, diretor-geral da IUCN, em comunicado.

 

“Os pântanos e outras áreas húmidas podem parecer improdutivos e inóspitos para os humanos, mas na verdade eles fornecem-nos serviços essenciais. Eles armazenam carbono, fornecem água potável e alimentos, protegem-nos de inundações e também oferecem habitats para uma em cada dez espécies conhecidas no mundo”.

 

A avaliação das libélulas e libelinhas do mundo revela que 16% das 6.016 espécies estão em risco de extinção, à medida que os seus criadouros de água doce se deterioram cada vez mais. No sul e sudeste da Ásia, mais de um quarto de todas as espécies estão ameaçadas, principalmente devido ao desmatamento de áreas húmidas e de floresta tropical, para abrir espaço para plantações como o óleo de palma.

 

Na América Central e do Sul, a principal causa do declínio das libélulas é o desmatamento de florestas para construção residencial e comercial. Pesticidas, outros poluentes e as mudanças climáticas são ameaças crescentes às espécies em todas as regiões do mundo e são as maiores ameaças às libélulas na América do Norte e na Europa.

 

“As libélulas são indicadores altamente sensíveis do estado dos ecossistemas de água doce, e esta primeira avaliação global finalmente revela a escala do seu declínio. Também fornece uma linha de base essencial que podemos usar para medir o impacto dos esforços de conservação”, declara Viola Clausnitzer, copresidente do Grupo de Especialistas em Libélula da IUCN SSC. “Para conservar estes belos insetos, é fundamental que os governos, a agricultura e a indústria considerem a proteção dos ecossistemas das zonas húmidas em projetos de desenvolvimento, por exemplo, protegendo habitats importantes e dedicando espaço às zonas húmidas urbanas.”

 

Artigo anterior

Pratos de Natal: roteiro gastronómico por Portugal

Próximo artigo

Doenças e condicionantes que potenciam a infertilidade masculina