Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Leite de ovelha pode ser o próximo alimento funcional

Leite de ovelha pode ser o próximo alimento funcional

O presente estudo explorou as características físico-químicas e nutricionais do leite de ovelha e sugere o desenvolvimento de produtos lácteos derivados com prebióticos e probióticos.

Pinterest Google+

O leite de ovelha e os seus derivados com prebióticos e probióticos podem vir a ser os próximos alimentos funcionais no ramo dos lacticícinios, segundo um artigo publicado na revista americana ‘Comprehensive Reviews in Food Science and Food Safety’.

 

Segundo os autores, o leite de ovelha é uma excelente fonte de nutrientes e é utilizado principalmente para a produção de queijo devido ao seu alto teor total de sólidos, contribuindo para um elevado rendimento do queijo. No entanto, os benefícios funcionais desta matriz alimentar permanecem inexplorados pela indústria de lacticínios.

 

Veja também: Leite: Afinal é bom ou mau?

 

«O leite de ovelha tem muitas qualidades que precisam de ser exploradas. É muito mais do que uma delicatessen simples para produzir queijos requintados», afirma o autor principal do estudo, Celso Fasura Balthazar.

 

São necessários mais estudos para investigar os efeitos da adição de microorganismos probióticos e, especialmente, componentes prebióticos em produtos lácteos de ovelha, como queijo, iogurte, gelados e outras sobremesas lácteas.

 

Veja também: Erros que desaceleram o metabolismo

 

Segundo os autores, o leite de vaca é o leite mais consumido. Em 2013, dominou a produção mundial de leite com 782 milhões de toneladas. O artigo refere que 85% da produção mundial de leite é derivada de vacas, seguido do leite de outras espécies como o búfalo (11%), caprinos (2,3%), ovinos (1,4%) e camelos (0,2%). No entanto, as fazendas produtoras de leite de ovelha representam uma parte significativa das economias agrárias em muitos países, especialmente aqueles que fazem fronteira com o Mar Mediterrâneo e no Médio Oriente.

 

Artigo anterior

Epigenética: alimente a sua saúde

Próximo artigo

Susana Bettencourt: «A minha imaginação é muito livre e sem preconceitos»