Home»BEM-ESTAR»NUTRIÇÃO»Leite: afinal é bom ou mau?

Leite: afinal é bom ou mau?

O leite sempre foi visto como um dos alimentos mais completos. Mas, cada vez mais, surgem correntes a quererem tirá-lo do pódio. Afinal, devemos ou não consumir leite? Falámos com três nutricionistas com posições divergentes. Se o réu - o leite - merece ser absolvido ou castigado, é você quem decide. A 1 de junho, assinala-se o Dia Internacional do Leite.

Pinterest Google+
PUB

Desde sempre o leite foi tido como o alimento mais completo e o que não devia faltar à mesa de todos nós. E se o leite materno é indiscutivelmente o alimento mais indicado para os bebés, já o consumo de leite de origem animal tem vindo cada vez mais a ser posto em causa. Exisem estudos a favor e estudos contra. A comunidade científica divide-se e os interesses instalados também não ajudam a desnublar o cenário.

 

O certo é que o consumo de leite e dos seus derivados diminuiu nos últimos anos. Dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que o consumo de leite e produtos lácteos per capita (kg/habitante) decresceu de 129,3 (2011) para 115,1 (2015), voltando a subir um pouco em 2017 (117,4%).

 

O grande culpado? A lactose. Este é o açúcar natural do leite, que é composto por duas unidades mais simples de açúcar: a glicose e a galactose.  Para que se faça uma digestão correta da lactose, é necessária uma enzima que quebre a ligação entre a glicose e a galactose, para que estes açúcares possam ser absorvidos pelo intestino. A enzima necessária para este processo chama-se lactase. Quando esta enzima deixa de ser produzida em quantidades suficientes à digestão da lactose, surge a intolerância, com todos os sintomas que lhe estão inerentes.

 

VEJA TAMBÉM: BEBER LEITE COM BAIXO TEOR DE GORDURA EM VEZ DE INTEIRO RETARDA ENVELHECIMENTO BIOLÓGICO

 

Segundo a Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia, um terço da população portuguesa sofre de distúrbios do sistema digestivo associados à intolerância à lactose. A acrescentar a esta margem de pessoas que sofre de intolerância, juntam-se os outros que, não tendo sintomas, estão a reduzir o consumo de lacticínios, uma vez que circula atualmente muita informação a demonizar o leite como alimento, nomeadamente porque está ‘carregado de hormonas impróprias para humanos’, porque ‘engorda’, porque afinal ‘não fixa assim tanto o cálcio’, etc, etc..

 

E o consumidor, afinal, que escolhas deve fazer? No meio de tanta informação contraditória, deve ou não por o leite à mesa? Questionámos três nutricionistas portuguesas com visões distintas: Ana Leonor Perdigão, Catarina Lopes e Magda Roma.

 

Para Ana Leonor Perdigão, o consumo de lacticínios só deve ser evitado por quem é intolerante (clinicamente confirmado) e, ainda assim, existem soluções: «Confirmada a intolerância à lactose, os hábitos alimentares devem ser reajustados, mas com o cuidado de manter uma alimentação saudável. Um dos mitos existentes é o de que a pessoa deixa de poder ingerir leite ou qualquer dos seus derivados lácteos, o que não é verdade. Uma pessoa intolerante pode e deve continuar a incluir o leite na sua alimentação, desde que sem lactose».

 

VEJA TAMBÉM: NÃO É SÓ O LEITE. CONHEÇA OS ALIMENTOS MAIS RICOS EM CÁLCIO

 

Opinião diferente tem a nutricionista Catarina Lopes: «A partir do primeiro ano de idade, começa o processo de diminuição da produção da lactase, o que leva a uma má digestão do açúcar e à diminuição da aceitação pelo nosso corpo dessa substância». Quando o corpo não digere esta substância, surgem sintomas como cólicas, obstipação e diarreias constantes. Ao escolher alimentos sem lactose, opta-se «por alimentos onde esta é previamente digerida e transformada em dois açúcares simples (galactose e glicose), o que aumenta a quantidade de açúcar disponível. Óbvio que para uma pessoa que é intolerante à lactose pode fazer sentido substituir o leite normal pelo sem lactose, mas a questão hormonal ainda está presente», opina a nutricionista.

 

Magda Roma vai mais longe e aborda a questão economicista ligada à grande indústria dos lacticínios: «A indústria alimentar e outro tipo de indústrias comandam a economia dos países. O que seria a Suíça sem fazer relógios, chocolates, aromatizantes alimentares e queijos? A nível económico não estaria provavelmente tão desenvolvida. Há países e regiões onde a produção de leite é crucial para se manter e desenvolver, isto sempre  de um ponto de vista económico. Logo, há uma tendência para impulsionar o consumo de determinados alimentos face a outros, pois esses são o motor económico de um país ou região, independentemente deste ser o melhor ou não para a saúde dos consumidores», elucida a nutricionista.

 

O certo é que o ser humano é o único animal a consumir leite de outra espécie, algo que não está justificado por uma argumentação científica, uma vez que o leite é um alimento preparado específicamente para servir as necessidades dos juvenis dessa espécie, argumenta a corrente que defende a abolição do consumo de leite animal. Para além disso, aponta-se ainda o dedo à indústria, por deturpar ainda mais o produto. Nomeadametne, para fazer face à grande procura deste alimento, a indústria da criação de vacas insemina constantemente de forma artificial estes animais, pois se não houver um bezerro para alimentar não há produção de leite. São inseminadas a cada ano com o intuito de manter a produção o mais alta possível.

 

VEJA TAMBÉM: LEITE DE OVELHA PODE SER O PRÓXIMO ALIMENTO FUNCIONAL

 

«Se uma vaca não está a dar as quantidades necessárias de leite, tal é sinónimo de prejuízo e de sair do mercado competitivo. Após uma gravidez induzida, o leite é retirado numa altura de maior produção do bovino, repercutindo-se num teor aumentado de hormonas (estrogénio)», esclarece a nutricionista Catarina Lopes.  A nutricionista acrescenta ainda que o leite de hoje também passa por um processo de pasteurização, um procedimento que remove os micro-organismos, isto é, um dos benefícios que o leite poderia oferecer. «Outro dos problemas é a extrema manipulação da mama da vaca, levando a inflamações e infeções na mama (mastites), implicando o uso de antibióticos nos animais», enfatiza.

 

É este tipo de informação que vem cada vez mais a público e que está a dividir a opinião pública. Porém, segundo a nova roda dos alimentos, divulgada pela Direcção-Geral de Saúde, recomenda-se a ingestão de duas a três porções de lacticínios por dia. Já a Organização Mundial de Saúde recomenda a ingestão de fruta, legumes, frutos secos e cereais como base de uma dieta saudável. Diz ainda para reduzir o sal, a gordura e os açúcares, mas não faz qualquer referência aos lacticínos, nem positiva, nem negativamente. Exceção feita ao aleitamento materno, altamente recomendado pela OMS.

 

Continua na próxima página…

Artigo anterior

Portugal entre os primeiros países com selo de segurança do Conselho Mundial de Viagens e Turismo

Próximo artigo

Museu da Farmácia reabre ao público no Dia Mundial da Criança