Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Lançado primeiro Guia de Peixes de Água Doce e Migradores de Portugal Continental

Lançado primeiro Guia de Peixes de Água Doce e Migradores de Portugal Continental

A descrição de todas as espécies nativas residentes, migradoras e visitantes marinhas descritas à data, bem como das espécies exóticas presentes nos rios e albufeiras nacionais, num total de 62 espécies, surge acompanhada de ilustrações científicas.

Pinterest Google+
PUB

O primeiro “Guia de Peixes de Água Doce e Migradores de Portugal Continental” coordenado por Maria João Collares-Pereira, professora da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (Ciências ULisboa) e do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c), publicado em 2021, já está à venda.

 

Os peixes de água doce são um dos grupos de vertebrados mais ameaçados em todo o mundo. Portugal não é exceção, com mais de 60% das espécies nativas em risco de extinção.

 

O guia em coautoria com outros investigadores portugueses – Maria Judite Alves, Filipe Ribeiro, Isabel Domingos, Pedro Raposo de Almeida, Luís da Costa, Hugo Gante, Ana Filipa Filipe, Maria Ana Aboim, Patrícia Marta Rodrigues e Maria de Filomena de Magalhães – surge numa altura em que o agravamento das pressões sobre os ecossistemas fluviais em Portugal e em toda a região mediterrânica, devido à destruição de habitats, à introdução de espécies exóticas e às alterações climáticas, entre outras, requer a mobilização de todos.

 

VEJA TAMBÉM: UM TERÇO DAS ESPÉCIES DE PEIXES DE ÁGUA DOCE DO MUNDO EM RISCO DE EXTINÇÃO

 

Nele são abordados vários temas, desde os vários tipos de ecossistemas fluviais às características particulares dos peixes que neles habitam e ao valor que possuem no contexto científico, histórico, ornamental e cultural.

 

«Algumas espécies, como a lampreia-marinha, o sável, a enguia-europeia e o achigã, são bem conhecidas do público; mas muitas outras, como os barbos, as bogas, os escalos que vivem nos nossos rios, são praticamente desconhecidas da maioria dos portugueses. O valor destas espécies é incalculável, uma vez que são em muitos casos exclusivas dos rios ibéricos ou dos rios nacionais, o que reforça a importância da sua divulgação também do ponto de vista da conservação», conta Maria João Collares-Pereira.

 

A descrição de todas as espécies nativas residentes, migradoras e visitantes marinhas descritas à data, bem como das espécies exóticas presentes nos rios e albufeiras nacionais, num total de 62 espécies, surge acompanhada de ilustrações científicas da autoria de Claudia Baeta e de Pedro Salgado, sob a forma de aguarelas originais e de mapas de distribuição em Portugal.

 

VEJA TAMBÉM: POPULAÇÕES MIGRATÓRIOS DE ÁGUA DOCE CAÍRAM 76% EM QUATRO DÉCADAS

 

«Este guia é uma ferramenta de elevado valor prático e científico para os que se interessam por esta área, incluindo pescadores lúdicos e desportivos, técnicos e gestores ambientais, professores e alunos, para além do público em geral», conclui Maria João Collares-Pereira.

 

 

O primeiro “Guia de Peixes de Água Doce e Migradores de Portugal Continental” tem 292 páginas é editado pela Edições Afrontamento.

 

Conta com o apoio da Ciências ULisboa e da Fundação para a Ciência e Tecnologia, através do cE3c e do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, do Museu Nacional de História Natural e da Ciência da ULisboa, da Universidade de Évora, da Biota – Estudos e Divulgação em Ambiente, e da Câmara Municipal de Lisboa – Lisboa Capital Verde Europeia 2020.

 

Enquanto as livrarias não abrem ao público o guia pode ser adquirido nos sites especializados de livros e no site da editora.

Artigo anterior

Herpes labial: como se manifesta e tratamento

Próximo artigo

Será que vou acordar? Anestesiologista esclarece dúvidas sobre anestesia