Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Jovens estão a por a sua saúde em risco ao cortarem nos lacticínios, alertam especialistas

Jovens estão a por a sua saúde em risco ao cortarem nos lacticínios, alertam especialistas

Um estudo realizado no Reino Unido descobriu que um quinto dos jovens com menos de 25 anos retirou ou reduziu os lacticínios da sua dieta, pondo em risco a sua saúde a médio prazo com dietas da moda.

Pinterest Google+
PUB

Um estudo levado a cabo pela Sociedade Nacional de Osteoporose britânica concluiu que um quinto dos jovens com menos de 25 anos reduziu ou retirou mesmo os lacticínios da sua dieta, pondo assim em risco a sua saúde a médio prazo, nomeadamente a saúde óssea, divulga a ‘BBC’.

 

A responsabilidade está, segundo dizem os especialistas, na proliferação de dietas da moda que diabolizam os lacticínios, mesmo para aqueles que não têm qualquer tipo de intolerância. A Sociedade de Osteoporose alerta que a eliminação total dos nutrientes pode ser prejudicial e tornar-se numa ‘bomba relógio’, caso os mesmos não sejam substituídos.

 

Veja também: Leite: afinal é bom ou mau?

 

A organização inquiriu 2000 adultos, entre os quais 239 abaixo dos 25 anos e 339 com idades entre os 25 e os 35 anos. E quase 70% desta parcela dos 18-35 anos referiu ter cortado nos lacticínios. Mais especificamente entre os 18 e os 25 anos, um quinto dos responderdes disse que tinha cortado totalmente ou reduzido substancialmente a sua ingestão.

 

A Sociedade alerta que a ingestão de queijo e iogurtes é importante para fornecer cálcio para os ossos. Refere também que não sabe de onde os jovens estão a extrair informação de que os lacticínios são prejudiciais, mas apontam a responsabilidade para informação divulgada na Internet por bloguers e vloguers.

 

Veja também: Ortorexia: a obsessão pela alimentação saudável

 

Um estudo recente da Agência de Standards para a Alimentação referido pela ‘BBC’ concluiu que quase metade dos jovens entre os 16 e os 24 anos disseram ser intolerantes ao leite de vaca e a outros lacticínios, comparado com os 8% da década de 1970. Porém, apenas 24% viu a sua condição confirmada por um médico.

 

Susan Lanham-New, diretora de Ciências da Nutrição da Universidade de Surrey e conselheira da Sociedade Nacional de Osteoporose britânica, comentou que «a dieta no início da idade adulta é muito importante porque ao chegarmos aos nossos vinte e poucos anos é tarde demais para reverter os danos causados pela má alimentação e deficiências nutricionais, e a oportunidade de construir ossos fortes já passou».

 

Veja também: Alimentos ricos em cálcio

 

A organização alerta a sociedade para a necessidade de rever estes novos parâmetros dietéticos, recordando que após os 50 anos metade das mulheres e um quinto dos homens desenvolve osteoporose.

 

Por outro lado, um responsável da Fundação Britânica da Nutrição acrescentou: «Embora não seja necessariamente perigoso retirar os lacticínios da sua dieta, é importante garantir que se obtém o cálcio suficiente de outras fontes. Os lacticínios costumam dar a maior contribuição para a nossa ingestão de cálcio, por isso, estes precisam de ser substituídos por outras fontes, como pão, cereais, conservas de peixe, nozes, sementes e vegetais verdes, bem como pela escolha de bebidas alternativas fortificadas com cálcio».

 

Artigo anterior

Rihanna lança coleção de alta joalharia com a Chopard

Próximo artigo

Campanha ‘Pergunte pelo Bio’ incentiva ao consumo de produtos biológicos