Home»GLAMOUR»MODA»Jane Birkin pede à Hermès que retire o seu nome de mala

Jane Birkin pede à Hermès que retire o seu nome de mala

A ícone de estilo Jane Birkin, que deu origem ao nome de uma das malas mais exclusivas da Hermès, pediu à marca para alterar o nome do produto por querer defender os direitos dos animais

Pinterest Google+
PUB

A cantora e ícone de estilo Jane Birkin, de 68 anos, enviou ontem um comunicado à casa de moda Hermès a pedir para o seu nome ser removido de um dos artigos de luxo mais exclusivos do mundo e um dos best-sellers da marca, por acreditar que a pele de crocodilo usada no fabrico da mala Birkin resulta de práticas de criação e execução “cruéis”.

«Pedi à Hermès para renomear a Birkin Croco até que eles adotem melhores práticas que vão de encontro às medidas internacionais para a produção desta mala», disse a cantora inglesa num comunicado à imprensa.

A mala Birkin foi criada pela Hermès em 1984, depois do chefe executivo da marca ter conhecido a cantora a bordo de um avião e de esta lhe ter confidenciado que não conseguia encontrar ma mala de pele que lhe agradasse. Desde então, a mala tornou-se um ícone e é vendida em vários tamanhos e de forma exclusiva, tendo-se tornado um símbolo de status pela sua raridade e preço, que começa nos 20 mil euros e pode chegar às centenas de milhares de euros.

«Tendo sido alertada para as práticas cruéis praticadas nos crocodilos durante a sua matança para a produção de malas Hermès com o meu nome, pedi ao Grupo para renomear a mala”, explica a ex-companheira de Serge_Gainsbourg. A cantora explicou ainda que assinou a petição levada a cabo pelo ator Joaquin Phoenix a pedir para as pessoas “extinguirem as peles exóticas dos seus guarda-roupas”, em protesto contra os “milhões de répteis mortos todos os anos e transformados em sapatos, malas, cintos e outros acessórios.” A associação pelos direitos dos animais PETA terá feito um vídeo a mostrar como é que os répteis, ainda vivos, são esfolados, narrado pelo ator Joaquin Phoenix, que Birkin viu e que a alertou para a realidade.

A Hermès respondeu dizendo que não compra as peles àquela quinta do Texas e que uma investigação seria levada a cabo. A marca acrescentou ainda que há mais de dez anos que impõe aos seus fornecedores regras éticas no que diz respeito ao tratamento dos animais e que faz inspeções mensais.

«A Hermès respeita e partilha os seus pensamentos (de Jane Birkin) e ficamos também chocados com as imagens. Os seus comentários em nada influenciam a amizade e confiança que partilhamos durante anos», disse a casa de moda em comunicado.

Por Joana de Sousa Costa

Artigo anterior

Café no Mónaco segue as regras da Pantone

Próximo artigo

O poder de uma palavra