Home»BEM-ESTAR»NUTRIÇÃO»Já ouviu falar na dieta do crossfit?

Já ouviu falar na dieta do crossfit?

O crossfit é uma atividade cada vez mais praticada. Este desporto, que também é uma forma de estar na vida, consiste na constante variação de movimentos funcionais realizados em alta intensidade e com curtas durações. Como é um desporto que pede bastante do físico, também deve ser acompanhado de uma dieta rica em alimentos vegetais integrais, proteínas magras e gorduras saudáveis.

Pinterest Google+

O crossfit está cada vez mais na moda. Consiste numa mistura de ginástica, levantamento de pesos e exercícios cardiovasculares. Estes exercícios costumam ser feitos de uma forma muito dinâmica e os treinos, realizados em ginásios especializados, devem ser conjugados com uma dieta específica, segundo explica a nutricionista Marsha McCulloch num artigo publicado na plataforma de nutricionistas Authorithy Nutrition.

 

Assim, esta dieta deve ser baixa em hidratos de carbono, rica em alimentos vegetais integrais, proteínas magras e gorduras saudáveis. Alguns dos alimentos recomendados aos atletas que praticam crossfit são: carne, legumes, nozes, sementes, algumas frutas e poucos amidos e açúcares.

 

VEJA TAMBÉM: 10 ALIMENTOS PARA GANHAR MÚSCULO E PERDER GORDURA

 

Segundo esta nutricionista, quando está a planear uma refeição equilibrada, e se for praticante de crossfit, deve ter nas suas refeições os seguintes parâmetros: 1/3 de proteína magra (peito de frango sem pele, peixe ou carnes magras são boas escolhas), 2/3 de hidratos de carbono saudáveis (dê primazia aos vegetais coloridos ou aos frutos com um baixo índice glicémico) e acrescente uma pequena quantidade de gordura monoinsaturada saudável (aqui entra o azeite, o abacate ou as nozes).

 

Nesta dieta é recomendado que se consuma cerca de 40% das calorias na forma de hidratos de carbono, 30% em forma de proteína e 30% em forma de gordura, que é algo que os atletas de elite costumam necessitar numa maior quantidade. Também é recomendado que se comam hidratos de carbono com um baixo nível de glicemia pois estes ajudam a aumentar o nível de glicose nos seus músculos, o que é bastante importante no momento do exercício.

 

VEJA TAMBÉM: LEVANTAR PESOS REDUZ POR SI SÓ RISCO DE ATAQUE CARDÍACO E AVC

 

A dieta do crossfit foi pensada e criada para controlar os níveis de açúcar no sangue, reduzir os níveis de inflamação (o que ajuda a recuperar mais rápido depois de um treino), a fome ou a combater doenças crónicas. Deve fazer cerca de cinco refeições por dia e estas devem ter as porções que você necessita de proteínas e hidratos de carbono saudáveis. Pode ser necessário fazer alguns ajustes consoante o sexo, tamanho ou frequência que pratica uma atividade física. Em todas as refeições devem ser ingeridas proteínas, pois estas ajudam no crescimento e rejuvenescimento muscular, principalmente à medida que se envelhece.

 

Para saber o que mais necessita, que costuma ser alguma carne, dois terços de legumes e uma peque a quantidade de fruta, meça e pese, pelo menos uma vez por semana, os seus pratos para assim conseguir compreender de quantas porções de comida necessita. Mas uma mulher costuma necessitar de 11 porções de comida diária, enquanto que os homens precisam de 14, refere a especialista.

 

VEJA TAMBÉM: SOU SEDENTÁRIO E QUERO COMEÇAR A FAZER MUSCULAÇÃO!

 

Na dieta do crossfit, diz ainda, nenhum alimento é proibido à partida, mas alguns podem ser restringidos. Normalmente não é aconselhável que coma frutos com um alto índice de glicemia (como as bananas, tâmaras ou figos), sumos com açúcar, alimentos à base de grãos (como o pão, massas ou bolachas), legumes ricos em amidos (como a abóbora, o milho ou a ervilha) ou doces e sobremesas (nada de donuts, biscoitos ou tortas).

 

Algumas das recomendações desta dieta são postas em causa. Alguns especialistas colocam em causa as baixas quantidades de hidratos de carbono para um atleta, a restrição do tipo de proteínas e a grande quantidade de gorduras consumidas. Por isso, se pretende enveredar por uma dieta específica, esta ou outra, aconselha-se ser acompanhado por um nutricionista que estuda o caso particular da pessoa.

 

 

Artigo anterior

Como gerir os ciúmes? Uma psicóloga explica

Próximo artigo

Rótulos de alimentos: saiba identificar as informações principais