Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Investigadores portugueses desenvolvem método inovador que permite prolongar prazo do fiambre

Investigadores portugueses desenvolvem método inovador que permite prolongar prazo do fiambre

A equipa da Universidade de Coimbra criou um revestimento comestível que permite aumentar a validade dos vários tipos de fiambre fatiado, para além dos atuais três dias que tem depois de desembalado.

Pinterest Google+

Uma equipa de investigadores do Colling, grupo do Centro de Química da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), desenvolveu um revestimento comestível que consegue aumentar o prazo de validade do fiambre, para além dos três que atualmente tem.

 

Aumentar o prazo de validade (shelf life) do fiambre fatiado após a abertura da embalagem, sem comprometer a qualidade e segurança alimentar, foi o desafio lançado pela Primor Charcutaria-Prima aos investigadores do Colling para resolver um dos problemas da indústria alimentar a nível mundial.

 

Veja também: Veja como aumentar o prazo de validade dos alimentos

 

Este desafio foi o ponto de partida para o desenvolvimento de um revestimento edível (comestível) de alimentos, produzido à base de polímeros e tensioativos naturais, no âmbito de um projeto financiado pelo Programa Comunitário Horizonte 2020 com cerca de seiscentos mil euros.

 

Apoiada na lista de polímeros e tensioativos naturais aprovados pela Food and Drug Administration (FDA), uma equipa de investigadores, liderada por Filipe Antunes, realizou, ao longo dos últimos dois anos, um conjunto de complexos estudos que permitissem obter um método inovador de revestimento de alimentos seguro, capaz de aumentar a validade dos vários tipos de fiambre fatiado (atualmente, depois de desembalado, o fiambre tem validade de três dias).

 

Veja também: Ortorexia: a obsessão pela alimentação saudável

 

«Tratou-se de um desafio imenso porque foi necessário estudar um vasto leque de variáveis. Começámos por selecionar os polímeros e tensioativos que reunissem as melhores propriedades para o fim pretendido, realizámos misturas e observámos o comportamento dessas combinações, modificámos algumas propriedades, investigámos as concentrações adequadas para obter um revestimento seguro e eficaz e realizámos sucessivos testes para avaliar a interação dos polímeros e tensioativos com o alimento», descreve Filipe Antunes.

 

Além disso, os investigadores, que reproduziram em laboratório as condições quer dos frigoríficos domésticos quer dos frigoríficos dos supermercados, realizaram vários estudos microbiológicos para assegurar «um revestimento antibacteriano e que evite a desidratação e oxidação deste tipo de alimentos, adiando a sua deterioração», salienta o investigador da FCTUC.

 

Veja também: Talvez não esteja a perder peso porque…

 

O revestimento conseguido pela equipa, impercetível aos olhos do consumidor, cumpre as exigências da FDA e pretende aumentar a conservação do fiambre e de outros produtos cárneos após a abertura da embalagem.

 

Este método inovador que os investigadores pretendem patentear «não só resolve um problema da indústria alimentar como também contribui significativamente para a redução do desperdício alimentar», nota Filipe Antunes.

 

Artigo anterior

Terapia de células cerebrais 'promissora' para tratar a doença de Parkinson

Próximo artigo

Maquilhagem nos lábios de 25 mil euros bate recorde do Livro do Guiness