Home»S-Atualidade»Insuficiência alimentar associada a depressão e ansiedade durante a pandemia

Insuficiência alimentar associada a depressão e ansiedade durante a pandemia

Uma pesquisa realizada nos EUA mostra um aumento de 25% na insuficiência alimentar das famílias, tendo como consequência o agravamento da saúde mental. A receção de mantimentos ou refeições gratuitas aliviou o peso desta correlação.

Pinterest Google+
PUB

Um estudo publicado no Jornal Americano de Medicina Preventiva encontrou um aumento de 25% na insuficiência alimentar durante a pandemia de COVID-19, levando ao aumento da ansiedade e depressão. A insuficiência alimentar, a forma mais extrema de insegurança alimentar, ocorre quando as famílias não têm alimentos suficientes para comer.

 

No geral, 65% dos americanos relataram sintomas de ansiedade e 52% relataram sintomas depressivos na semana anterior à conclusão da pesquisa, feita a de 63.674 adultos nos Estados Unidos da América.

 

Aqueles que não comeram o suficiente durante aquela semana relataram piora da saúde mental, com 89% dos americanos com insuficiência alimentar a relatar sintomas de ansiedade em comparação com 63% dos americanos que tinham suficiência alimentar. Da mesma forma, 83% dos americanos com alimentos insuficientes, em comparação com 49% dos americanos com alimentos suficientes, relataram sintomas depressivos.

 

VEJA TAMBÉM: PSICÓLOGA ALERTA: OS PRIMEIROS SINAIS DE DEPRESSÃO

 

«Fome, cansaço e preocupação em não conseguir comida suficiente para comer podem piorar os sintomas de depressão e ansiedade», alerta Jason Nagata, professor assistente de pediatria da Universidade da Califórnia e principal autor do estudo.

 

Os pesquisadores descobriram que receber mantimentos ou refeições gratuitas aliviou parte do peso que a insuficiência alimentar tem para a saúde mental. «Os formuladores de políticas devem expandir os benefícios e a elegibilidade para os programas de assistência e abordar a insegurança alimentar e a saúde mental», diz Kyle Ganson, professor assistente da Universidade de Toronto, coautor do estudo.

 

Entre a amostra nacionalmente representativa de mais de 64 mil adultos, os negros e os latino-americanos tinham mais do dobro do risco de insuficiência alimentar em comparação com os americanos brancos.

Artigo anterior

Ideias criativas para ter flores em casa

Próximo artigo

Faça um quizz ao estado das suas pernas