Home»VIDA»CARREIRA»Índice de talento mundial: Suíça lidera e Portugal é reconhecido como país tolerante

Índice de talento mundial: Suíça lidera e Portugal é reconhecido como país tolerante

Portugal sobe duas posições no maior índice de talento do mundo, ocupando o 29.º lugar no ranking do Global Talent Competitiveness Index 2018, localizando-se acima de países como Espanha e Itália. Lisboa ocupa a 19.ª posição numa lista de 90 cidades.

Pinterest Google+

O relatório Global Talent Competitiveness Index (GTCI) de 2018 apurou que a Suíça lidera no que diz respeito à competitividade do talento, seguida por Singapura e pelos EUA. Em geral, os países europeus continuam a dominar o ranking GTCI, com 15 deles no Top 25. Portugal sobe duas posições, de 31.º para 29.º lugar, no ranking relativamente a 2016 e é referência em termos de tolerância a minorias e imigrantes

 

A edição deste ano revela também que os países do top 10 apresentam uma característica em comum: todos eles possuem um sistema de educação bem desenvolvido, que fornece as competências sociais e de colaboração necessárias para a empregabilidade no atual mercado de trabalho.

 

VEJA TAMBÉM: É WORKAHOLIC? SINAIS DE ALERTA!

 

O relatório publicado recentemente pelo INSEAD, a Business School for the World, em parceria com o Grupo Adecco e a Tata Communications, traduz-se num benchmarking anual completo, que oferece uma imagem completa sobre os níveis globais de competitividade no que se refere ao talento, que mensura a forma como países e cidades o aumentam, o atraem e o retêm, proporcionando um recurso único a decisores, facilitando o desenvolvimento de estratégias competitivas.

 

No ranking geral que conta com a análise de 119 países, Portugal assume a 29.ª posição, fazendo parte do grupo de países com rendimentos elevados, e Lisboa ocupa o 19.º lugar numa lista de 90 cidades. Portugal apresenta melhores classificações nalgumas variáveis específicas, tais como: tolerância a minorias e emigrantes, qualidade de vida, publicação de artigos em revistas científicas, sistema de pensões e diferença salarial entre homens e mulheres.

 

Por outro lado, as piores classificações nacionais referem-se a variáveis como ensino secundário, facilidade de mudança, exportações de elevado valor, colaboração entre organizações, enriquecimento intelectual e gestão profissional. O nosso país apresenta um bom comportamento, bem como melhorias ao nível da retenção de talento, ocupando o 19º lugar. No que se refere à atratividade de mercado e competências, encontra-se na 30.ª e 31.ª posição, respetivamente, e em 40.ª em competências profissionais e técnicas.

 

VEJA TAMBÉM: VAMOS ALMOÇAR? AS VANTAGENS DE TER AMIGOS NO TRABALHO

 

Segundo Carla Rebelo, diretora geral da Adecco Portugal, «tal como em anos anteriores, Portugal e os países europeus continuam a figurar no topo da tabela deste índice. Este ano, a análise centra-se na diversidade e retenção de talentos nos países que fazem parte da amostra, bem como o entendimento do valor da diversidade. É interessante observar que o nosso país, de facto, tem trabalhado para superar algumas barreiras, sobretudo, ao nível das minorias e imigrantes e o papel que as empresas devem ter para a sua integração, o que resulta na subida de duas posições».

 

Top 25 do ranking

Índice de talento mundial: Suíça lidera e Portugal é reconhecido como país tolerante

Artigo anterior

Souping is the new juicing (ou como as sopas são os novos sumos detox)

Próximo artigo

Este é o melhor spa do mundo