Home»S-Vida»Imunoterapia combinada com quimioterapia: uma mudança no paradigma no tratamento do cancro do pulmão

Imunoterapia combinada com quimioterapia: uma mudança no paradigma no tratamento do cancro do pulmão

Ao longo dos últimos anos observou-se uma verdadeira revolução no cancro do pulmão, quer a nível do progresso tecnológico nos exames de diagnóstico e no conceito da própria doença, quer no aparecimento de biomarcadores e tratamentos inovadores.

Pinterest Google+
PUB

O cancro do pulmão é uma das doenças mais diagnosticadas a nível global, sendo a principal causa de morte por doença oncológica em Portugal e no Mundo. O tabaco é o seu principal fator de risco (85% a 90% dos casos) e, por isso, é essencial reforçar a cessação tabágica como a principal medida para redução da sua incidência e elevada mortalidade.

 

O desenvolvimento silencioso do cancro do pulmão pode explicar o diagnóstico inicial em fases avançadas da doença na maioria dos casos, sendo que, em cerca de 57% destes diagnósticos, são identificadas lesões metastáticas à apresentação, condicionando o tratamento e, consequentemente, o seu prognóstico.

 

Ao longo dos últimos anos observou-se uma verdadeira revolução no cancro do pulmão, quer a nível do progresso tecnológico nos exames de diagnóstico e no conceito da própria doença, quer no aparecimento de biomarcadores e tratamentos inovadores.

 

VEJA TAMBÉM: DO AÇÚCAR AO ALCALINO: MITOS DESMISTIFICADOS SOBRE CANCRO

 

É boa prática clínica a discussão do doente, em sede multidisciplinar, usando todos os novos recursos com o principal objetivo de proporcionar qualidade de vida aliada ao maior controlo possível da doença. Um desses recursos é a possibilidade de tratamento com imunoterapia, cujo desenvolvimento permitiu, em 2018, a atribuição do Prémio Nobel da Medicina, tendo os primeiros fármacos sido autorizados para cancro do pulmão em 2015.

 

Em 2018 é publicado o ensaio Clínico KEYNOTE-189 que mostra benefício importante, em determinados tumores do pulmão, na associação da quimioterapia (platino com pemetrexedo) com a imunoterapia (pembrolizumab) versus a terapêutica standard até então utilizada.

 

Em maio de 2020 o Infarmed aprovou o financiamento da associação acima referida, no tratamento de primeira linha do cancro do pulmão de não pequenas células (CPNPC), metastático, em doentes com EGFR/ALK negativos e com expressão de PD-L1 com TPS inferior a 50% (características identificadas na biopsia do tumor).

 

VEJA TAMBÉM: COMER IOGURTE PODE AJUDAR A DIMINUIR O RISCO DE CANCRO DA MAMA

 

Esta medida veio ao encontro das recomendações internacionais das várias sociedades científicas, no que diz respeito ao tratamento do Cancro do Pulmão, e reflete uma mudança de paradigma no tratamento desta neoplasia.

 

Na análise global dos doentes, o ensaio clínico documentou uma sobrevida global (overall survival) aos 12 meses estatisticamente superior no grupo de pessoas que estava a ser tratado com a combinação de quimioterapia com imunoterapia (69.2% vs 49.4%), correspondendo a uma redução de risco de morte de 49%. A sobrevivência livre de progressão (PFS – progression free survival) teve também significado estatístico neste grupo de doentes (8.8 meses vs 4.9 meses), correspondendo a uma redução do risco para progressão da doença de 52%. Quer isto dizer que esta combinação de imunoterapia com quimioterapia aumenta significativamente a sobrevivência livre de progressão de doença e a sobrevivência global em comparação com a quimioterapia isolada, pois os doentes vivem em média cerca do dobro quando tratados com a terapêutica combinada. Relativamente à qualidade de vida, estudada através de vários questionários específicos, destacou-se o parâmetro tempo até agravamento clínico, composto pelos sintomas de tosse, dor torácica ou dispneia, com uma redução do seu risco em 81% neste grupo de doentes submetidos à associação. A percentagem dos efeitos adversos (EA) de qualquer causa, e independentemente de estarem relacionados com o tratamento, foram sobreponíveis nos dois grupos de doentes, reforçando a segurança desta terapêutica.

 

Quando analisamos em particular o conjunto de doentes com expressão PD-L1 (presença de proteínas ligadas às células tumorais que bloqueiam a ação do sistema imunitário), inferior a 50%, os dados são ainda mais animadores. Isto, porque, nestes casos, se verifica uma redução de risco de morte de 57% e redução do risco para progressão da doença de 64%, com efeitos adversos sobreponíveis.

 

VEJA TAMBÉM: EXERCÍCIO REDUZ SIGNIFICATIVAMENTE RISCO DE MORTE POR CANCRO

 

Já os doentes com tumores CPNPC com expressão PD-L1 superior ou igual a 50% têm como recomendação, se o estudo molecular for negativo, o tratamento em primeira linha com pembrolizumab em monoterapia, já aprovado e financiado pelo SNS. Atendendo ao exposto, o Infarmed pediu uma avaliação, por comparação indireta, da associação quimioterapia com imunoterapia versus pembrolizumab em monoterapia. A apreciação farmacoterapêutica e farmacoeconómica considerou que existia valor terapêutico acrescentado major na associação quimioterapia com imunoterapia apenas nos doentes com expressão inferior a 50%.

 

Assim, com esta aprovação do Infarmed, os doentes com cancro de pulmão têm ao dispor um novo tratamento que corresponde a uma enorme MUDANÇA DE PARADIGMA, com a associação de dois grupos de fármacos – QUIMIOTERAPIA e IMUNOTERAPIA.

 

Por Patrícia Garrido

Pneumologista

Unidade Pulmão – Centro Clínico da Fundação Champalimaud

 

 

 

 

 

Artigo anterior

Lidl lança coleção de lingerie sustentável

Próximo artigo

Noites mal dormidas dão mais fome