Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Hospital Egas Moniz pioneiro no tratamento da dor crónica com elétrodo cirúrgico

Hospital Egas Moniz pioneiro no tratamento da dor crónica com elétrodo cirúrgico

Sistema inclui o implante mais pequeno do mundo de estimulação da espinal medula, permitindo tratar vários tipos de dor crónica. Para além dos benefícios para o doente, permite também ao médico monitorizar com rigor a atividade diária e progresso do doente.

Pinterest Google+

O Hospital Egas Moniz, em Lisboa, foi o primeiro centro hospitalar do país a disponibilizar um sistema inovador de neuroestimulação com elétrodo cirúrgico, que inclui o implante mais pequeno do mundo de estimulação da espinal medula (EME), para o tratamento de vários tipos de dor crónica, informa o Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, em comunicado.

 

Este tratamento consiste no implante de um dispositivo sob a pele do doente que distribui impulsos elétricos através de um elétrodo colocado no espaço epidural ou noutra zona da coluna, de forma a bloquear os estímulos enviados para o cérebro.

 

VEJA TAMBÉM: HORMONAS DO STRESS AUMENTAM À MEDIDA QUE O TEMPO AQUECE

«A dor crónica é uma condição muito prevalente na população, com um impacto muito negativo na vida dos doentes uma vez que afeta todos os aspetos da sua vida – relações interpessoais, produtividade no trabalho e tarefas do quotidiano. Apesar disso, continua a ser uma condição subvalorizada, subreconhecida e subtratada. O tratamento destes doentes é desafiante e implica necessariamente uma abordagem multidisciplinar, implicando especialistas no tratamento de dor/anestesistas, psiquiatras, psicólogos e uma equipa de enfermagem especializada», revela Carla Reizinho, neurocirurgiã do Grupo de Neuromodulação para o Tratamento da Dor Crónica do Hospital Egas Moniz.

 

Este novo tratamento vem dar resposta à necessidade de uma maior bateria do dispositivo, que permitirá melhorar significativamente a qualidade de vida dos destes doentes. A partir de agora é possível carregar o dispositivo totalmente em apenas uma hora e está programado para se adaptar às necessidades de cada doente.  Estudos publicados demonstram que, quando utilizada em alguns doentes com dor crónica previamente identificados, a EME pode proporcionar um alívio da dor a longo prazo, melhorar significativamente a qualidade de vida e reduzir a incapacidade relacionada com a dor e a necessidade de recurso à medicação.

 

VEJA TAMBÉM: PREPARE-SE PARA DORMIR BEM: DICAS DE UMA MÉDICA

 

«Este sistema em particular, além de proporcionar aos doentes os benefícios da estimulação medular, fomenta a melhoria na comunicação médico-doente através da monitorização das atividades diárias, postura corporal e tratamentos administrados, permitindo ter uma visão mais objetiva da mobilidade e do progresso do doente, por forma a garantir um tratamento mais personalizado e adaptado às necessidades específicas do mesmo», explica a especialista.

 

A estimulação do nervo periférico (ENP) pode provocar o alívio da dor associada à lombalgia, reduzir a incapacidade relacionada com a dor e consequentemente reduzir a necessidade da toma de medicamentos. A neuroestimulação constitui uma alternativa ao tratamento da dor face ao problema de saúde pública associado ao uso excessivo de opioides.

 

Outras das inovações deste dispositivo é o facto de permitir a realização de ressonâncias magnéticas, uma vez que grande parte dos doentes precisa de realizar este exame de diagnóstico cinco anos após o implante. O sistema conta ainda com uma tecnologia que se ajusta automaticamente para fornecer a estimulação adequada na localização exata, à medida que a zona onde o doente sente dor se vai alterando, face à posição corporal, revela o hospital em comunicado.

 

 

 

 

 

 

 

 

Artigo anterior

Alimentação para uma pele bonita

Próximo artigo

Não estou gorda, faço é retenção de líquidos...