Home»GLAMOUR»MODA»H&M promove reciclagem de roupa

H&M promove reciclagem de roupa

A cadeia de vestuário sueca vai ofereceu um prémio anual de um milhão de euros para a ideia mais criativa para reciclagem de roupa

Pinterest Google+
PUB

A H&M é a segunda maior cadeia de retalho de moda, logo após a Inditex e, como tal, tem procurado soluções para as acusações dos ambientalistas de que a cultura da fast fashion tem criado um problema de excesso de produção de roupa em todo o mundo.

A marca sueca acredita que a resposta para este problema está na reciclagem e tem procurado novas formas de produzir de forma sustentável. A cadeia anunciou que vai oferecer um prémio anual de um milhão de euros para as ideias mais criativas no que diz respeito à reciclagem de roupas.

O anúncio foi feito por Karl-Johan Persson, chefe-executivo da marca, que explicou à agência Reuters: «Nenhuma empresa, seja na área da moda ou outras, pode continuar a agir como hoje. O importante é encontrarmos tecnologias novas para reciclarmos as fibras sem alterarmos a sua qualidade.»

>A marca, que vai lançar uma coleção de jeans de algodão reciclado na próxima semana, tem em mente que, num futuro próximo, pode haver escassez de algodão, que precisa de água e pesticidas para a sua produção. O problema atual é que os métodos de reciclagem produzem fibras de fraca qualidade e não há ainda uma forma eficaz de reciclar roupas de materiais diversos.

Johan Rockstrom, professor de ciência ambiental na Universidade de Estocolmo e um dos membros do júri do prémio da H&M, explicou: «Este é um grande desafio para a H&M, que é reconhecida por produzir roupas baratas com qualidade. O facto da roupa ser barata aumenta o risco das pessoas comprarem e deitarem fora ou comprarem em quantidade excessiva.»

Recorde-se que os lucros da empresa dobraram desde 2006, atingindo no ano passado cerca de 160 mil milhões de euros, colocando a cadeia sueca logo atrás da espanhola Inditex na lista das maiores marcas de retalho de moda.

Além da H&M, também a inglesa Marks & Spencer e a italiana Calzedonia têm um ponto de recolha de roupas usadas nas suas lojas. Por todo o mundo, a sustentabilidade tem sido um tema discutido no mundo da moda. A marca holandesa Mud Jeans, por exemplo, leva o conceito mais longe e oferece um serviço anual de reparação ou substituição da peça de roupa comprada aos seus clientes, tornando-se responsável pelo seu próprio desperdício. É isto que, cada vez mais, se espera das grandes cadeias, uma auto-responsabilização pelos produtos produzidos.

Por Joana de Sousa Costa

Artigo anterior

Boa disposição contagia socialmente mas estados depressivos não

Próximo artigo

Kristen Stewart vai ser Coco Chanel