Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Gravidez depois dos 40: o que diz um ginecologista

Gravidez depois dos 40: o que diz um ginecologista

É diferente ter 40 anos, ser saudável e não ter excesso de peso, do que ser obesa, fumadora e ter doenças associadas, revela o gineciologista José Cunha.

Pinterest Google+
PUB

Hoje em dia, estudar, entrar no mercado de trabalho e conseguir estabilidade tanto profissional/financeira como emocional, nas relações, são prioridades que surgem antes de constituir uma família. É por isso comum o adiamento da maternidade.

 

De acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística, 25% dos nascimentos ocorre depois dos 35 anos (dados de 2009). Esta tendência, infelizmente, tem vindo a acentuar-se.

 

Riscos de uma gravidez com a idade

É mais difícil engravidar uma vez que a quantidade de óvulos vai diminuindo à medida que a mulher envelhece. A probabilidade de engravidar espontaneamente por ciclo menstrual aos 40 anos ronda os 5-10%, e acima dos 45 anos é praticamente impossível engravidar com os próprios óvulos.

Riscos:

  • Maior taxa de aborto espontâneo (25% das gestações aos 40 anos e 54% aos 44 anos);
  • Maior incidência de diabetes gestacional e HTA (pré-eclâmpsia/ eclâmpsia);
  • Aumento da frequência de alterações cromossómicas fetais (a principal é o Síndrome de Down – 5% aos 40 anos e 10 % aos 44 anos), razões que também explicam a maior taxa de aborto de repetição;
  • Maior incidência de problemas na placenta e no parto;
  • Maior incidência de baixo peso fetal e prematuridade (15% dos partos), muitas vezes pela intercorrência de diabetes e hipertensão arterial. Consequentemente verifica-se também um aumento da taxa de nados mortos e de problemas na saúde dos recém-nascidos.

 

VEJA TAMBÉM: A PRESERVAÇÃO DA FERTILIDADE FEMININA

 

 Como preparar e ajudar a obter a gravidez

É diferente ter 40 anos, ser saudável e não ter excesso de peso, do que ser obesa, fumadora e ter doenças associadas (hipertensão arterial, doenças cardíacas ou da tiroide, diabetes). Nesse sentido, é fundamental uma correta e prévia avaliação clínica da mulher que quer engravidar depois dos 40 anos. Sendo possível avaliar a fertilidade duma mulher através de:

 

  • Análises de sangue (doseamento da AMH ou da FSH e estradiol);
  • Ecografia ginecológica (avaliação da reserva ovárica e deteção de anomalias do aparelho reprodutor – quistos ováricos, miomas, etc);
  • Estudo da permeabilidade das trompas de Falópio (Histerossalpingografia) e da qualidade do esperma (espermograma)

Para aumentar a probabilidade de engravidar, podem-se recorrer a tratamentos de fertilidade (como a inseminação artificial e a fertilização in vitro). A partir dos 40 anos e após 6 a 8 meses de vida sexual regular sem gravidez, o casal tem indicação para o recurso a estas técnicas de reprodução medicamente assistida. No caso de não se obterem resultados, há ainda a possibilidade de utilizar óvulos doados. As mulheres mais velhas que usam óvulos de dadoras entre os 20 e os 30 anos aumentam significativamente a probabilidade de engravidarem e diminuem os riscos de aborto espontâneo e de anomalias cromossómicas, passando a níveis de probabilidade equivalentes às da dadora.

 

É importante:

  • Estabelecer um programa de exercício fisico regular e uma alimentação correta e equilibrada;
  • Evitar o stress e a ansiedade;
  • Iniciar ingestão diária de ácido fólico;
  • Não esquecer a importância do Fator Masculino, vários estudos, comprovam que existe uma relação entre a idade do pai e problemas genéticos e hereditários como a trissomia 21 (síndrome de Down) e a esquizofrenia. Por outro lado, também há um decréscimo importante da quantidade e da qualidade dos espermatozóides com a idade;
  • É fundamental um acompanhamento especializado na gravidez destas mulheres, para diminuir e prevenir alguns riscos e problemas já citados;
  • Os grandes avanços verificados na medicina materno-fetal nos últimos anos, sobretudo no diagnóstico precoce, têm permitido reduzir os impactos das complicações nas mães e fetos.

 

Vantagens duma gravidez depois dos 40.

Estudos demonstram que mães com mais idade são em geral mais instruídas, têm maior consolidação profissional e financeira e estão mais vocacionadas e disponíveis para amamentar.

 

 

Artigo anterior

Como as marcas podem melhorar a ligação entre pais e filhos adolescentes

Próximo artigo

Vai comprar ou alugar casa? Analise bem o número da porta antes de o fazer