Home»FOTOS»Fonte da juventude: cortar em 15% das calorias atrasa envelhecimento

Fonte da juventude: cortar em 15% das calorias atrasa envelhecimento

Se quer retardar o passar da idade, o que temos para lhe dizer não é novidade: tem de cuidar da sua alimentação. E se todos sabemos disso, um estudo realizado nos EUA decidiu ir mais longe e provar isso mesmo. Conseguiu demonstrar que restringir a ingestão calórica, durante dois anos, consegue realmente atrasar o processo de envelhecimento. Quer começar agora?

Pinterest Google+

Talvez não haja necessidade de encontrar uma verdadeira fonte da juventude, basta olhar para o seu prato. Uma pesquisa realizada nos EUA sugere que cortar 15% das calorias ingeridas durante dois anos pode retardar o processo metabólico que leva ao envelhecimento e proteger o organismo de doenças relacionadas com a idade.

 

Depois de apenas um ano com uma dieta reduzida em calorias, os participantes do estudo viram as suas taxas metabólicas caírem significativamente. A taxa reduzida continuou no segundo ano e levou a uma diminuição geral do stresse oxidativo, um processo que tem sido vinculado à diabetes, cancro, Alzheimer e outras doenças relacionadas com a idade. «Reduzir a ingestão de calorias traz benefícios para a saúde de todas as pessoas, independentemente do seu estado atual de saúde», comenta Leanne M. Redman, principal autora do estudo e professora no Centro de Pesquisa Biomédica de Pennington, da Universidade de Louisiana.

 

VEJA TAMBÉM: ALIMENTOS FERMENTADOS ALIADOS DA SAÚDE (SOBRETUDO DO INTESTINO)

 

Anteriormente, estudos realizados em animais já haviam demonstrado que restringir as calorias em 25% pode prolongar a vida. Este estudo, denominado CALERIE – Avaliação Abrangente de Efeitos a Longo Prazo da Redução da Entrada de Energia, foi projetado por Redman e pelo Instituto Nacional do Envelhecimento dos EUA, para responder a uma pergunta simples: o mesmo será aplicável em humanos?

A equipa questionou também que nível de restrição calórica teria impacto sobre os biomarcadores do envelhecimento.  «Sabemos que os indivíduos de vida mais longa são capazes de manter níveis mais baixos de açúcar no sangue e níveis mais baixos de insulina e têm níveis mais baixos de temperatura corporal em comparação com pessoas que não vivem tanto quanto eles», explica a investigadora.

 

VEJA TAMBÉM: ALIMENTAÇÃO PARA UMA PELE BONITA

 

O estudo contou ainda com a participação e investigadores da Universidade de Washington e da Universidade de Tufts, em Boston. Cada equipa estudou uma componente específica do estudo. O objetivo era que os participantes reduzissem também 25% a ingestão e calorias, mas ao fim de dois confirmou-se que reduziram em 15%. Ainda assim, os resultados foram «notáveis», disse.

 

Por exemplo, os participantes perderam uma média de cerca de dez quilos cada até ao final do primeiro ano e mantiveram essa perda durante o segundo ano. «A dieta restritiva em calorias também causou uma redução na taxa metabólica do sono em cerca de 10%», disse Redman. Isso permaneceu verdadeiro após um ano, quando a perda de peso atingiu o pico, e depois de dois anos, quando o peso permaneceu constante.

 

VEJA TAMBÉM: FALTA-LHE ENERGIA? CONHEÇA ALGUNS DOS ALIMENTOS MAIS RICOS EM FERRO

 

Um metabolismo retardado significa que o corpo se tornou mais eficiente no uso de combustível – seja de alimento ou oxigénio para obter energia. «É importante porque sempre que geramos energia no corpo geramos subprodutos. Estes subprodutos do metabolismo normal, também chamados de radicais de oxigénio, acumulam-se no corpo e ao longo do tempo causam danos às células e órgãos, explicou. E esse dano é o que está ligado a uma expectativa de vida encurtada», explica a especialista. Não só a restrição de calorias diminuiu o metabolismo dos participantes, mas menores níveis de dano oxidativo foram observados quando medidos na urina. A restrição de calorias, então, imitou alguns dos indicadores de envelhecimento saudável vistos em indivíduos de vida longa, disse Redman.

 

De certo já ouviu falar que deve ingerir alimentos antioxidantes para melhorar a sua saúde, bem-estar e também para prolongar a juventude. Estes componentes combatem os radicais livres que causam danos ao organismo por stress oxidativo. E é este stress oxidativo que aumenta o risco de doenças várias. Mas ingerir alimentos ricos em antioxidantes pode ajudar também a reduzir esse stress e logo o risco de doenças. Conheça os 12 melhores alimentos saudáveis que são ricos em antioxidantes, segundo a plataforma ‘Authorithy Nutrition’, na galeria que se encontra no início do artigo.

Artigo anterior

Produtividade no verão pode diminuir até 20%

Próximo artigo

Brincar na areia: cuidados a ter para os mais novos desfrutarem ao máximo