Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Flora vaginal e probióticos: ginecologista explica relação benéfica

Flora vaginal e probióticos: ginecologista explica relação benéfica

Probióticos são microrganismos vivos que, quando fornecidos em quantidade adequada, conferem um benefício para a saúde do hospedeiro. A terapêutica com probióticos é considerada como ‘natural’ e ressurgiu como prevenção e tratamento de infeções do aparelho e urogenital.

Pinterest Google+

A flora vaginal é provavelmente o elemento mais estudado do aparelho genital feminino desde que, nos finais do seculo XIX, Albert Doderlein, um ginecologista alemão, observou na flora vaginal uma elevada quantidade de microorganismos Gram positivos, aos quais chamou bacilos de Döderlein.

 

Probióticos são microrganismos vivos que, quando fornecidos em quantidade adequada, conferem um benefício para a saúde do hospedeiro. Parker, em 1974, introduziu o conceito de probiótico (para a vida), em contraponto ao antibiótico (contra a vida). A terapêutica com probióticos é considerada como ‘natural’ e ressurgiu como prevenção e tratamento de infecções do aparelho e urogenital.

 

VEJA TAMBÉM:  CONSELHOS PRÁTICOS SOBRE HIGIENE GENITAL FEMININA

 

A mucosa vaginal é constituída por epitélio escamoso, e as células das camadas superficial e média contêm glicogénio, que é convertido por enzimas e lactobacilos em glicose e mais tarde em ácido láctico. O epitélio não contém glândulas nem produz muco. A secreção vaginal contém leucócitos (glóbulos brancos), restos epiteliais, electrólitos e ácido láctico. O pH da vagina é variável e tem um valor médio de 4,5.

 

A flora vaginal é um sistema equilibrado, com cerca de 50 estirpes de bactérias, existindo um equilíbrio entre os agentes patogénicos e não patogénicos. Este sistema é influenciado pelas hormonas, pela higiene, contraceptivos orais, espermicidas, por doenças e pela genética. Muitos dos microorganismos que existem na secreção vaginal são bacilos de Doderlein (ou Lactobacilus acidophilus), que representam cerca de 95% do total da flora vaginal. A sobrevivência destes bacilos depende da riqueza do epitélio vaginal em glicogénio, que por sua vez depende dos níveis de estrogénios.

 

VEJA TAMBÉM: PÍLULA ININTERRUPTA: SIM OU NÃO?

 

O glicogénio é libertado pelas células da mucosa vaginal é transformado em glicose pelos bacilos de Doderlein e, através do metabolismo da glicose, produz-se ácido láctico que mantém o pH da vagina entre 3,8 a 4,5. A fixação dos bacilos de Doderlein no epitélio vaginal é facilitada com estes valores de pH, enquanto certos agentes patogénicos, como a G. vaginalis (responsável pela vaginose bacteriana) não se fixam às células do epitélio nestas condições de pH e não se desenvolvem.

Artigo anterior

Bolos de vegetais, uma moda japonesa

Próximo artigo

Já ouviu falar em vigorexia?