Home»BEM-ESTAR»CORPO»Fisioterapia: conheça os benefícios da arte que recupera o corpo

Fisioterapia: conheça os benefícios da arte que recupera o corpo

Os fisioterapeutas ajudam a superar diariamente problemas de saúde e a promover o bem-estar não só físico, mas também emocional. A fisioterapeuta Joana Santos fala sobre os benefícios que estas intervenções podem trazer à vida das pessoas.

Pinterest Google+

Segunda a Associação Portuguesa de Fisioterapeutas, a fisioterapia é um serviço prestado a indivíduos de forma a desenvolver, manter e restaurar o máximo movimento e a capacidade funcional ao longo da vida. «Atua quer na prevenção da incapacidade, quer na reabilitação, após algum tipo de lesão ou condição clínica que tenha posto em causa a função e o movimento», explica Joana Santos.

 

A fisioterapeuta aconselha que os tratamentos devam ser feitos «sempre que existe ameaça ao movimento e à funcionalidade, seja por presença de dor, lesões ou doenças, como por exemplo doenças neurodegenerativas, após cirurgias ortopédicas, em contexto desportivo, por condições ambientais, como em situações de internamento prolongado ou pelo próprio envelhecimento».

 

Os fisioterapeutas interagem não só com os utentes, mas também com outros profissionais de saúde, com as famílias e os cuidadores, junto dos quais definem qual o estado do movimento e quais os objetivos a atingir. Estes profissionais estão focados em identificar e maximizar a qualidade de vida dos utentes, através de diversas intervenções, que se alteram consoante o problema.

 

VEJA TAMBÉM: PASSA MUITO TEMPO SENTADO E COM DORES NAS COSTAS? SIGA ESTE ESTE GUIA

 

Joana Santos diz que «a intervenção dos fisioterapeutas é muito diversificada, um dos motivos por se tornar numa profissão muito desafiante e enriquecedora. Quer pelas faixas etárias em que atuamos, desde o recém-nascido ao idoso, acompanhando assim todas as fases de desenvolvimento e as suas particularidades inerentes, quer pelas áreas diversas e distintas, desde a cardiorrespiratória, à neurologia e à músculo-esquelética, talvez as mais reconhecidas pela população em geral».

 

No entanto, não são apenas estas as áreas de intervenção, «os fisioterapeutas atuam noutras áreas não tão discutidas mas que também são muito importantes e beneficiam com a nossa atuação». Exemplo disto, é o tema deste ano do Dia Mundial da Fisioterapia: a dor crónica. Conhecida também como dor persistente ou de longo prazo, é uma dor que persiste por mais de três meses gerando um impacto significativo na saúde global.

 

Nestes casos são geralmente prescritos opióides, que estão diretamente associados a um elevado risco de dependência e vício. Segundo a World Confederation of Physical Therapy, em 2016, estima-se que 27 milhões de pessoas tenham sofrido distúrbios relacionados com o uso destes medicamentos. Desta forma, a fisioterapia surge como uma solução alternativa.

 

VEJA TAMBÉM: QUANTO DEVE PESAR UMA MOCHILA ESCOLAR? SAIBA FAZER A ESCOLHA CERTA

 

Os fisioterapeutas podem elaborar programas especializados que incluem a prática regular de exercício físico, o que leva a uma diminuição da dor, sessões de relaxamento que melhoram as capacidades funcionais do doente e a educação para a higiene do sono, que ajuda a combater o ciclo vicioso da dor persistente.

 

Todos estes tratamentos são estruturados com base na avaliação feita pelo fisioterapeuta e individualizados e adaptados aos principais problemas de cada indivíduo. «Os benefícios que advêm da intervenção da fisioterapia dependem muito do problema que levou a pessoa aos tratamentos».

 

VEJA TAMBÉM: FISIOTERAPIA NA DEMÊNCIA: 5 EXERCÍCIOS PRÁTICOS PARA MANTER AS FUNÇÕES MOTORAS

 

Desta forma, os benefícios que decorrem das sessões de fisioterapia são diversos. A fisioterapeuta Joana Santos enumera alguns: «O alívio da dor, o ganho de amplitude de movimento ou força muscular, o ganho de equilíbrio, a reeducação da marcha, uma melhor função cardíaca e respiratória, entre tantos outros». No entanto, existe um ponto em comum que todos estes benefícios têm, «o ganho de capacidade funcional, o objetivo da intervenção é dar mais função à pessoa». Isto pode materializar-se em simples tarefas do quotidiano  como «ir a pé buscar o neto à escola, conseguir mexer a mão, respirar melhor ou não se cansar tanto».

 

O objetivo final para o qual todos os profissionais da área trabalham é para conseguir dar a todas as pessoas, saúde, bem-estar e funcionalidade. Veja tudo na galeria no inicio do artigo.

 

Artigo anterior

Jorge Coelho Lopes: «Assiste-se hoje a uma grande sensibilidade pelo conceito de bem-estar»

Próximo artigo

Descubra cinco cidades com elevada projeção profissional