Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Festival de Outono: a época da indefinição

Festival de Outono: a época da indefinição

Esta é aquela altura do ano que nem é carne nem é peixe. Nem o verão foi embora, nem o inverno chegou. O ano ainda não acabou, mas já hipotecamos reuniões para 2022.

Pinterest Google+
PUB

Outubro está a começar. Entramos na reta final de mais um ano. No dia em que escrevo este texto, faltam 83 dias para o Natal.

 

Hoje podia escrever sobre marketing político, ainda no rescaldo das eleições autárquicas. Podia escrever sobre o tão aguardado filme do 007 que finalmente estreou. Podia escrever sobre a abertura das discotecas, e de como vamos reaprender a ser livres. Podia escrever sobre o vulcão de La Palma em erupção nas Ilhas Canárias. Podia escrever sobre o anunciado regresso dos festivais e dos cartazes já apresentados. Podia escrever sobre os Açores, “Seguro por Natureza”. Podia escrever sobre o apagão das aplicações do grupo Facebook.

 

Podia. Podia escrever sobre estes e tantos outros temas porque, nesta altura, quem segue esta rúbrica sabe que há sempre marketing metido ao barulho. Contudo, não sou especialista em política para escrever sobre o seu marketing. Do 007 só sei como estava fantástica a Duquesa de Cambridge, Kate Middleton, no seu vestido dourado. Quanto às discotecas nunca fui fã da noite, eu gosto de dormir cedo e dançar como se não estivesse ninguém a ver.

 

Que é como quem diz, sozinha. Podia escrever sobre La Palma, mas é tão trágico que nem dá vontade, mas felicito as marcas que estão a apoiar com as suas campanhas de CSR. Quanto aos festivais vou manter os dedos cruzados até à próxima primavera. Espero que seja para valer. Podia escrever sobre os Açores, mas o Turismo dos Açores este ano parece ter contratado metade dos portugueses e, na verdade, fez um ótimo trabalho.

 

VEJA TAMBÉM: NOVOS CASAMENTOS: NO PINTEREST E NO INSTAGRAM ATÉ QUE A MORTE NOS SEPARE!

 

Se ando há anos a sonhar em voltar, este ano, a cada scroll no Instagram, a vontade aumentou. Já tudo se falou sobre os Açores não vale a pena escrever mais. Podia escrever sobre o facto de termos ficado mais de 6 horas sem acesso ao Facebook, WhatsApp, Instagram, Messenger e Oculus mas, se abrirem o Linkedin ou qualquer uma destas aplicações, não se fala de outra coisa e sabem, não dei muito pela falta!

 

E, agora que penso, podia até falar do Natal! Podia, mas ainda não tirei a roupa de verão dos armários na esperança do anunciado verão de São Martinho. Depois disso penso no Natal.  Na verdade, estou cansada e sem ideias.

 

Desabafos à parte, esta é aquela altura do ano que, nem é carne nem é peixe. Nem o verão foi embora, nem o inverno chegou. O ano ainda não acabou, mas já hipotecamos reuniões para 2022 para quando houver um orçamento em cima da mesa (e tem de estar lá, já no próximo mês! Help!).

 

Ainda não apetece pensar em Natal, mas ele já nos anda a perseguir. Se calhar, da mesma forma que não sei o que vestir porque de manhã está frio, mas ao almoço está calor, também não sei sobre o que escrever porque estamos naquela altura do ano sem definição.

 

Eu gosto muito do outono, não é essa a questão. Gosto mesmo! Não há luz como esta deste sol mais baixo e menos quente que nos entra pela janela e nos aquece os pés. Não há como o cheiro de uma sopa de abóbora acabada de fazer ou do assado com castanhas (ou só das castanhas, não sou esquisita). Não há como as cores de fogo das árvores que inundam as ruas e as tornam únicas. Não há como o preparar a casa para o inverno que irá chegar libertando as mantas em cima do sofá, preparar os guarda-fatos para o frio que está para vir e encher a despensa de compotas e marmelada para as tardes de domingo de chuva. Soa a poesia barata, bem sei, mas gosto mesmo do outono. Só me falta a inspiração e disso já não gosto assim tanto!

 

Para que só me falte a mim a inspiração e não às marcas, em que devem elas focar-se para aproveitar o outono?

Adaptar a comunicação ao outono, aproveitando as cores mais quentes da estação: atualizar imagens e slogans na comunicação da marca. 🍁

 

  1. Começar a preparar a comunicação de natal e final de ano: as compras de natal parecem começar cada vez mais cedo cada ano, para muitos começam ainda antes do Halloween (31 outubro) por isso, este é o momento para iniciar a conversa. 🎅
  2. Aproveitar os feriados e adaptar o horário e a oferta à quadra natalícia: pode fazer sentido adaptar o horário das lojas ao horário de inverno, e aproveitar os dias de feriado e ponte para promover vendas.
  3. Manter atualizada a informação no site sobre promoções ou eventos futuros: destacar os produtos e serviços em promoção aproveitando ao máximo as pesquisas dos consumidores.
  4. Criar conteúdo sazonal, garantindo que é útil: “Prepare o seu carro para o inverno”, “Venha celebrar o Oktoberfest connosco”, “Tratamentos de beleza para preparar a pele para o frio”, “A Black Friday é tão 2020, aproveite as nossas promoções semanais”, “Está a chegar a noite mais assustadora do ano! Prepare a casa para o Halloween”.
  5. Tirar partido do marketing local: os mercadinhos de outono e de natal além de lindos são sempre um bom motivo para um passeio ao ar livre. Aproveitar parcerias locais e promover serviços e produtos junto da comunidade pode ser uma boa alavanca para o negócio.
  6. Apoiar uma causa: campanhas de prevenção e diagnóstico do cancro da mama, mensagens anti- bullying, consciencialização para a sustentabilidade energética, literacia financeira (aproveitando o dia mundial da poupança), são algumas das causas de destaque no outono.
  7. Apostar no marketing de Halloween: ainda que seja uma tradição importada é sempre um bom motivo para festejar e vender. 👻

 

Para além destas dicas para aproveitar o outono, é boa ideia começar a planear a estratégia para 2022 para não perder o comboio do relacionamento com os seus consumidores. Entretanto, vamos inspirar-nos nas cores e sabores do outono para recuperar energias após o verão e prepararmo-nos para o hibernar do inverno e, quem sabe, ganhar um impulso de criatividade para que não nos faltem as ideias, para a escrita e para a gestão das marcas!

Artigo anterior

Os castelos de Portugal: tour pelas fortificações da realeza portuguesa

Próximo artigo

Castelo de São Filipe: uma fortaleza com uma vista privilegiada na Serra da Arrábida