Home»BEM-ESTAR»CORPO»Exercício físico insólito: de dormir no ginásio a cabritos em aulas de yoga

Exercício físico insólito: de dormir no ginásio a cabritos em aulas de yoga

Está a imaginar-se a ter um cabrito a passar por cima, rir sem parar numa aula de yoga ou ir para o ginásio para... dormir? Conheça algumas das novas tendências no mundo do fitness e diga-nos qual atividade (estranha) gostaria de experimentar para se manter em forma.

Pinterest Google+
PUB

«Há tantas coisas estranhas a acontecer agora. Mas não há mal nenhum na variedade. É bom», começa por explicar Hannah Moir, pesquisadora de tendências na área da saúde e fitness, na Universidade de Kingston, Reino Unido, em declarações à CNN.

 

Moir foca-se no estudo dos benefícios e apelo de novas atividades físicas. E há algumas bem estranhas que estão a surgir. Se há pouco anos o yoga do riso suscitava alguns risos de surpresa, agora é o recurso a cabritos em sessões de yoga que causa espanto. Imagine ter uma cabra pequenina em cima de si enquanto faz uma determinada pose.

 

Veja também: Em forma com as nossas crianças

 

Mas não se fica por aqui. Recentemente, no Reino Unido, adicionou-se ao menu de exercícios uma ‘napercise’, isto é, uma sessão de sono, durante 60 minutos, com camas a substituir esteiras e sons atmosféricos a substituir as melodias. (Veja na galeria acima alguma atividades insólitas que estão a surgir).

 

As atividades acrobáticas também estão a ganhar uma fasquia de adetos que gostam de inovar na área do exercício. Já a meditação e as aulas de dança continuam a ganhar terreno na área de exercício físico e bem-estar.

 

Veja também: 10 mandamentos para umas pernas perfeitas

 

A maioria da população europeia não é suficientemente ativa, como tal, qualquer tipo de exercício pode representar algum benefício para a saúde.  Neste sentido, a especialista e a sua equipa realizaram um estudo para explorar a tendência que tem vindo a dominar os ginásios, os estúdios e os salões das comunidades um pouco por todo o mundo: a zumba. Esta menos insólita, mas ainda assim diferente do exercício comum.

 

Muitas pessoas não olham para a dança como exercício, mas sim como uma oportunidade de interação social. A equipa de investigação analisou o consumo de oxigénio e as frequências cardíacas de 24 pessoas que foram convidadas a frequentar duas aulas de zumba e duas de salsa, cada uma com duração de uma hora. Os participantes tiveram de utilizar monitores de frequência cardíaca e dispositivos que monitorizavam os seus movimentos para medir o impacto físico. Além disso, foi-lhes pedido que se avaliassem psicologicamente.

 

Veja também: ‘O exercício engorda-me!’

 

O nível desta atividade física foi classificado como moderado a vigoroso, com a queima de 400 a 500 calorias num aula por parte de algumas pessoas (semelhante a uma corrida de 30 minutos).

 

A CNN reporta ainda que nos últimos meses surgiram nos EUA aulas de danças com fitas e aulas de hula hoop, como alternativa à oferta convencional dos ginásios. Portanto, não interessa bem a atividade, o que interessa é mexer-se. Se for com cabritos às costas, pois que seja.

Artigo anterior

Mapa original da Disneyland pode atingir 800 mil euros em leilão

Próximo artigo

Maior ZARA do país inaugura no Centro Vasco da Gama