Home»BEM-ESTAR»CORPO»Exercício físico: a importância de nos mantermos ativos é maior do que nunca

Exercício físico: a importância de nos mantermos ativos é maior do que nunca

Agora que vivemos a segunda fase de desconfinamento, em que já são permitidas atividades físicas ao ar livre, mas ainda não abriram os ginásios, manter a forma física continua a ser essencial para a nossa saúde. Falámos com o personal trainer André Cotovio, que realça a importância de continuar a praticar exercício físico em casa e que tipos de exercícios deve fazer nestas circunstâncias.

Pinterest Google+

A diretora do programa nacional para a promoção da atividade física da Direção-Geral da Saúde considera que esta é uma altura de risco para o sedentarismo e que a atividade física tem um papel muito importante na gestão do stress, na promoção de um sono mais tranquilo, na libertação de endorfinas e na promoção de emoções positivas.

 

«O exercício físico tem uma importância enorme na nossa vida e nós só damos conta disso quando ‘’batemos com a cabeça na parede´’, ou seja, quando nos aparece alguma doença ou problema para resolver. Numa altura como esta, que passamos muito mais tempo em casa, a importância de manter rotinas e cuidar do nosso corpo e mente torna-se fundamental, visto que nos dá uma falsa sensação de que continuamos igual e isso nem sempre é verdade», explica André Cotovio.

 

O personal trainer realça que o exercício físico não só ajuda na manutenção de um corpo saudável, mas também de uma mente saudável, já que retira grande parte do stress que acumulamos durante uma altura difícil como esta.

 

VEJA TAMBÉM: PROGRAMA DE 12 DIAS PARA SE MANTER EM FORMA EM CASA

 

Para tal, é importante ter uma rotina de treino. «Esta rotina vai depender muito do sujeito de que estamos a falar e de quais os seus objetivos, mas de um modo geral, de acordo com o ACSM (American College of Sports Medicine), deve-se treinar pelo menos cinco dias por semana, a um ritmo moderado, ou três dias por semana, a uma intensidade elevada, perfazendo sempre, por treino 20 a 60 minutos de atividade continua ou intermitente, ou seja,  dividir este tempo pelo dia em sessões mais curtas de pelo menos 10 minutos cada».

 

Muitas vezes a nossa maior dificuldade é manter essa rotina, no entanto, André Cotovio simplifica a questão: «Para realizar uma rotina de treinos, só precisam de força de vontade e do vosso corpo, pois mesmo sem qualquer equipamento, é possível fazer um treino bastante completo».

 

«Esta rotina de treinos sem equipamento pode e deve passar por exercícios que envolvam grande massas musculares, como, por exemplo, agachamentos, flexões de braços, saltos à corda, corrida no lugar, etc», sugere o personal trainer. «Estes movimentos podem ser feitos com o peso corporal, apenas, mas se quisermos dar mais algum peso e dificuldade ao treino podemos usar uma mala com algum peso, garrafões de água ou garrafas de água ou pacotes de arroz. Só precisam mesmo de força de vontade».

 

VEJA TAMBÉM: DESPORTO EM CASA: OITO EXERCÍCIOS PARA REALIZAR EM PARES

 

Todas as faixas etárias precisam de força, resistência cardiovascular e flexibilidade. No entanto, existem necessidades distintas em faixas etárias diferentes. «Nas crianças é fundamental começar pela base, ensinar os movimentos, ainda sem grande peso externo, bem como a coordenação e a flexibilidade. O grande objetivo é criar-lhes condições para que quando chegarem a adolescentes e adultos, idades onde a maturação promove adaptações corporais, estarem prontos para aproveitar o aumento das hormonas e consolidar o seu corpo». No caso dos adultos, que já têm essas bases, devem trabalhar os seus objetivos, já que reúnem todas as capacidades para os alcançar.

 

«Já na faixa etária mais idosa, o trabalho de força muscular é deveras importante pois eles começam, a partir de uma certa idade, a perder muita da massa muscular e isso afeta-os em todas as atividades do dia a dia, como sentar e levantar de uma cadeira ou subir um lanço de escadas. Precisam muito de manter esta força muscular para prevenir umas das grandes causas de mortes nos idosos, que são as quedas, uma vez que estas são derivadas da falta de força e capacidade de responder rapidamente a mudanças nas superfícies. Para além de tudo isto, normalmente é nestas idades que aparecem grande parte das doenças e, por isso, em idades anteriores é fundamental o cuidado com a nossa saúde e a prática de exercício físico é um elo muito importante».

 

VEJA TAMBÉM: DORES NAS COSTAS: CUIDADOS A TER COM A POSTURA EM SITUAÇÃO DE TELETRABALHO

 

André Cotovio deixa ainda duas dicas transversais a todas as idades e tipos de corpo: «A primeira é que é necessário encontrar o exercício ou a modalidade de que gostam e que vos dê prazer. A segunda é que não há o dia certo para começar a cuidar de nós, porque o ontem já passou e o amanhã é um dia a menos que podemos ser mais saudáveis e escolher o melhor para o nosso corpo, mente e especialmente para a nossa vida».

 

O segredo é ter sempre em mente que «não há nada que pague viver uma vida com qualidade», conclui o personal trainer. Para tal consulte algumas dicas da Organização Mundial de Saúde para manter uma vida exercitada durante estes tempos, na galeria no início do artigo.

 

Artigo anterior

Isabel Saraiva: «Há uma campanha de sedução direcionada aos jovens que torna atraente o consumo do tabaco»

Próximo artigo

Alimentos ricos em fibras para uma boa saúde digestiva