Home»VIDA»DIREITOS HUMANOS»Eurodeputados querem tecnologias de inteligência artificial a proteger diversidade e prevenir discriminação na Europa

Eurodeputados querem tecnologias de inteligência artificial a proteger diversidade e prevenir discriminação na Europa

Nova resolução do Comité de Cultura e Educação do Parlamento Europeu exige que todas as tecnologias de IA sejam regulamentadas e treinadas de modo a proteger a não discriminação, a igualdade de género, o pluralismo, bem como a diversidade cultural e linguística do espaço europeu.

Pinterest Google+
PUB

Reduzir o preconceito de género, social ou cultural nas tecnologias de inteligência artificial (IA) é fundamental, assinala o Comité de Cultura e Educação do Parlamento Europeu numa resolução adotada nesta terça-feira, pois a sua utilização na educação, cultura e meios audiovisuais pode ter um impacto na «espinha dorsal dos direitos e valores fundamentais da nossa sociedade».

 

A nova resolução, aprovada com 25 votos a favor, nenhum contra e 4 abstenções, exige que todas as tecnologias de IA sejam regulamentadas e treinadas de modo a proteger a não discriminação, a igualdade de género, o pluralismo, bem como a diversidade cultural e linguística do espaço europeu.

 

Para evitar que as recomendações de conteúdo baseadas em algoritmos, especialmente em serviços de streaming de vídeo e música, afetem negativamente a diversidade cultural e linguística da UE, os eurodeputados solicitam o desenvolvimento de indicadores específicos para medir a diversidade e garantir a promoção de obras europeias.

 

«A Comissão Europeia deve estabelecer um quadro ético claro para a forma como as tecnologias de IA são utilizadas nos meios de comunicação da UE para garantir que as pessoas tenham acesso a conteúdos cultural e linguisticamente diversos. Tal estrutura também deve abordar o uso indevido de IA para disseminar notícias falsas e desinformação», dita a resolução.

 

O uso de dados tendenciosos que refletem a desigualdade ou discriminação de género já existente deve ser evitado durante o treino de IA, recomendam os eurodeputados. Em vez disso, conjuntos de dados inclusivos e éticos devem ser desenvolvidos, com a ajuda das partes interessadas e da sociedade civil, para serem usados ​​durante o processo de “aprendizagem profunda”.

 

Os eurodeputados, por fim, sublinham que os professores devem ser sempre capazes de corrigir as decisões tomadas pela IA, como a avaliação final dos alunos. Ao mesmo tempo, destacam a necessidade de capacitação de professores e alertam para que nunca sejam substituídos por tecnologias de IA, principalmente na educação infantil.

 

«Há décadas que lutamos para estabelecer os nossos valores de inclusão, não discriminação, multilinguismo e diversidade cultural, que os nossos cidadãos consideram uma parte essencial da identidade europeia. Esses valores também precisam de ser refletidos no mundo online, onde algoritmos e aplicações de IA estão a ser usados ​​cada vez mais. O desenvolvimento de sistemas de dados de qualidade e inclusivos para uso em aprendizagem profunda é vital, pois é um quadro ético claro para garantir o acesso a conteúdos cultural e linguisticamente diversos», disse a relatora Sabine Verheyen (PPE, DE) após a votação.

 

O plenário da Câmara deve votar a resolução em abril (a confirmar). Espera-se que a Comissão proponha um quadro legislativo para IA confiável em abril de 2021, na sequência do seu Livro Branco sobre Inteligência Artificial.

 

Artigo anterior

Cancro colorretal: porque é tão importante a deteção precoce?

Próximo artigo

Limão superpoderoso (e um terror para as bactérias)