Home»BEM-ESTAR»CORPO»Estudo revela consequências negativas da episiotomia

Estudo revela consequências negativas da episiotomia

Uma pesquisa realizada nos EUA desafia o pensamento convencional de que a incisão efetuada na área muscular entre a vagina e o ânus (para ampliar o canal de parto) é a decisão mais correta. A análise revela outras consequências para além das físicas.

Pinterest Google+

A vida de várias mulheres que experienciaram uma episiotomia transformou-se em falta de autoestima e numa vida sexual menos satisfatória, de acordo com vários relatos recolhidos por um grupo de investigadores da Universidade de Michigan, EUA.

 

Uma episiotomia é um corte cirúrgico nos músculos, tecidos e pele entre a vagina e o ânus para ampliar a aberturado canal de parto, e foi realizada com frequência até há pouco tempo. «Cerca de 12% das mulheres grávidas ainda são submetidas a episiotomias. O que me preocupa muito é que nós [América do Norte] exportámos a prática para países em desenvolvimento, onde a taxa é extremamente alta, particularmente em mulheres que são mães pela primeira vez», afirma Ruth Zielinski, professora associada de enfermagem clinica.

 

Veja também: Remédios naturais para mulheres

 

No estudo, participaram 69 mulheres. Destas, 84% das participantes que foram submetidas a uma episiotomia descreveram alterações vaginais e retais após o parto, com uma imagem corporal da zona genital e autoestima mais negativas. Além disso, confessaram que a vida sexual ficou diferente.

 

Segundo a coautora do estudo, Lisa Kane Low, a presença de um corte cirúrgico e suturas chama mais atenção para a zona genital, e o aumento da dor durante a cura pode ajudar a explicar os resultados.

 

Veja também: Dicionário da saúde feminina

 

Durante e depois da gravidez, é dada muita atenção ao corpo da mulher: peso, estrias…, mas as mulheres também se preocupam com mudanças na região genital, como o alongamento dos músculos ou que os lábios tenham ficado deformados.

 

Algumas mulheres recorrem a cirurgia plástica para tratar as consequências de uma episiotomia. Um relatório recente da Academia Americana de Cirurgiões Plásticos mostrou um aumento de 39% de labioplastias, um procedimento cosmético que envolve a remodelação dos lábios vaginais através de cirurgia ou injeção de enchimentos.

 

Artigo anterior

Não sabe o que vestir? O Alexa pode ajudar

Próximo artigo

Síndrome do ovário poliquístico: o que é e como se manifesta