Home»GLAMOUR»BELEZA»Estudo: exercícios faciais ajudam mulheres de meia idade a parecerem mais novas

Estudo: exercícios faciais ajudam mulheres de meia idade a parecerem mais novas

O primeiro estudo científico que testa o efeito dos exercícios faciais na aparência confirma que 20 semanas de exercícios faciais resultam numa pele mais firme e bochechas elevadas. E o resultado foi uma aparência três anos mais nova.

Pinterest Google+

Um programa de exercícios faciais diários de 30 minutos, mantido durante 20 semanas, melhorou a aparência facial das mulheres de meia-idade, resultando numa aparência mais jovem com pele mais firme e bochechas mais elevadas, relata um novo estudo da Universidade de Northwestern, EUA.

 

Segundo a universidade, este é o primeiro estudo científico a testar cientificamente a premissa de que o exercício facial melhora a aparência, tendo sido publicado no jornal científico, ‘Jama Dermatology’, em janeiro de 2018.

 

VEJA TAMBÉM: DICAS DE BELEZA INTEMPORAIS

 

«Agora, há alguma evidência de que os exercícios faciais podem melhorar a aparência facial e reduzir alguns sinais visíveis de envelhecimento», diz o autor principal, Murad Alam, vice-presidente e professor de dermatologia.  «Os exercícios ampliam e fortalecem os músculos faciais, de modo que o rosto se torna mais firme, mais tonificado e moldado como um rosto mais jovem», acrescenta.

 

À medida que o rosto envelhece, a pele perde a elasticidade e as almofadas de gordura entre o músculo e a pele tornam-se mais finas. As almofadas de gordura, que se encaixam como um quebra-cabeça, dão ao rosto muito da sua forma. À medida que a pele se torna flácida, as almofadas de gordura atrofiam e deslizam, fazendo com que o rosto ‘caia’.

 

VEJA TAMBÉM: PEELING, A TÉCNICA QUE TRAVA A IDADE E NÃO SÓ

 

«Porém, se o músculo por baixo se tornar maior, a pele fica com mais recheio por baixo, e o músculo mais firme parece tornar a forma do rosto mais cheia. O crescimento muscular aumenta o volume facial e neutraliza os efeitos do desbaste de gordura e do afrouxamento da pele relacionados com a idade», explica Emily Poon, professora de dermatologia.

 

O estudo contou com a participação de mulheres entre os 40 e os 65 anos que aprenderam a fazer exercícios faciais e fizeram-nos em casa durante 20 semanas.

Artigo anterior

CE: até 2030 todas as embalagens de plástico deverão ser recicláveis

Próximo artigo

Lisboa nomeada para Melhor Destino Europeu