Home»FOTOS»Estudo dá explicação ao declínio da satisfação sexual com a idade

Estudo dá explicação ao declínio da satisfação sexual com a idade

Estudo realizado no Reino Unido examinou como os relacionamentos íntimos, a saúde e os fatores psicológicos afetam a intimidade e a satisfação sexual em mulheres pós-menopáusicas. E não se trata apenas de uma questão biológica.

Pinterest Google+
PUB

O número de mulheres que tem relações sexuais diminui com a idade, e o número de mulheres que desfrutam do mesmo na pós-menopausa é ainda menor. Embora estes factos não sejam surpreendentes, as causas desses declínios podem estar no facto de as pesquisas anteriores se concentrarem apenas em causas biológicas. No entanto, um  estudo realizado no Reino Unido identifica causas psicossociais que podem ser trabalhadas. Os resultados formam publicados na revista da Sociedade Norte-Americana de Menopausa (NAMS).

 

É difícil pegar numa revista feminina ou um jornal de obstetrícia e ginecologia sem ler um artigo sobre como e por que a libido e o nível de satisfação sexual de uma mulher diminuem durante e após a menopausa. Já muitas pesquisas foram conduzidas baseando-se em razões biológicas, como a secura vaginal, as ondas de calor ou a penetração dolorosa. Porém, pouco se sabe sobre o efeito das várias mudanças psicossociais que são comuns na pós-menopausa. Estas incluem preocupações com a imagem corporal, autoconfiança e perceção de desejo, stresse, alterações de humor e problemas no relacionamento.

 

VEJA TAMBÉM: SOLUÇÕES NATURAIS QUE DESPERTAM A LÍBIDO

 

Nas pesquisas que foram realizadas sobre influências psicológicas, a maior parte delas concentrou-se em resultados quantitativos, esclarece a NAMS. Um estudo de quase 4.500 mulheres pós-menopáusicas envolvidas no Estudo Colaborativo do Rastreio do Cancro do Ovário no Reino Unido (UKCTOCS), no entanto, analisou dados para compreender melhor por que razão as mulheres se sentiam de uma determinada forma e a profundidade desses sentimentos.

 

Entre outras coisas, os dados da atividade sexual do UKCTOCS mostraram que, no início, antes do início da triagem anual, aproximadamente metade das mulheres era sexualmente ativa. Uma diminuição em todos os aspetos da atividade sexual foi observada ao longo do tempo: a atividade sexual era menos frequente, não tão prazerosa e mais desconfortável. A principal razão para a ausência de atividade sexual foi a falta de um parceiro, principalmente por causa da viuvez.

 

Outras razões comumente citadas para a diminuição da atividade incluíram (em ordem de classificação) a condição médica de um parceiro, a disfunção sexual de um parceiro, os próprios problemas de saúde física da mulher, os sintomas relacionados com a menopausa e a medicação prescrita. Contribuindo com maior frequência para líbido baixa foram referidos problemas de relacionamento, logística e perceções do envelhecimento. Apenas 3% dos participantes descreveram experiências sexuais positivas, enquanto apenas 6% procuraram ajuda médica para problemas sexuais.

 

VEJA TAMBÉM: ALIMENTOS AFRODISÍACOS: PARA AQUECER AINDA MAIS ESTE OUTONO

 

«Desafios de saúde sexual são comuns em mulheres à medida que envelhecem, e fatores dos parceiros desempenham um papel proeminente na atividade sexual e satisfação das mulheres, incluindo a falta de um parceiro, disfunção sexual de um parceiro, saúde física deficiente de um parceiro e problemas de relacionamento», diz Stephanie Faubion, diretora médica da NAMS. «Além disso, problemas relacionados com a menopausa, como a secura vaginal e a dor no sexo, foram identificados como problemas que afetam a função sexual, mas poucas mulheres procuram tratamento para essas questões, apesar da disponibilidade de terapias eficazes».

 

Assim, ter um parceiro íntimo e uma boa saúde são fatores-chave para a continuação da atividade sexual e respetiva satisfação. Mais é necessária educação sexual para profissionais de saúde para aumentarem a consciencialização dos pacientes sobre sexualidade e dificuldades sexuais na vida adulta avançada. Confira oito dicas para manter uma vida sexual ativa após os 60 anos na galeria acima.

 

 

 

 

Artigo anterior

Fatores que contribuem para a hipertensão arterial

Próximo artigo

Novas etiquetas energéticas chegam às lojas a 1 de março