Home»FOTOS»Muito ou pouco picante? Escala de Scoville mede intensidade dos picantes

Muito ou pouco picante? Escala de Scoville mede intensidade dos picantes

Umas mais dos que outras, uma trinca faz logo subir a temperatura e há uma escala que mede essa intensidade. Mas quais as mais picantes do mundo? Todos os anos, os cultivadores de pimentas preparam novas misturas para criarem pimentas que lutam pelo primeiro lugar do ranking. A 16 de janeiro, assinala-se o Dia Internacional da Comida Picante.

Pinterest Google+
PUB

A Escala de Scoville foi criada pelo farmacêutico Wilbur Scoville, em 1912, para medir o grau de ardência de pimentas e malaguetas. Trata-se de um teste de diluição e prova que posiciona uma determinada pimenta numa escala medida em unidades de calor, as chamadas Scoville Heat Units, ou SHU. Esta escala vai do 0 – nada picante – a milhões de SHU, ou seja, insuportavelmente picante.

 

No teste criado originalmente, Scoville misturou a pimenta pura com uma solução de água com açúcar. Então, um painel de provadores bebeu esta solução. Quanto mais solução de água e açúcar era necessária para diluir uma pimenta, mais alta era a sua ardência. Mais tarde o teste foi melhorado e foram criadas as SHU, onde uma chávena de pimenta que equivalha a 1000 chávenas de água corresponde a uma pimenta com 1000 unidades SHU.

 

VEJA TAMBÉM: QUAL O MELHOR VINHO PARA AS REFEIÇÕES PICANTES?

 

É a substância capsaicina que gera a ardência nas pimentas. Esta, quando pura, equivale a 15 milhões de unidades Scoville. Por exemplo, a pimenta mexicana Habanero chega a 300 mil unidades Scoville. Uma pimenta Red Savina Habanero, uma espécie modificada, chega a 577 mil unidades.

 

É precisamente porque as pimentas podem ser modificadas que o top das mais picantes pode ir mudando. Todos os anos, os cultivadores de pimenta preparam novas misturas para criarem pimentas que lutam pelo primeiro lugar do ranking. E a competição é feroz.

 

Veja na galeria acima o ranking das 10 pimentas mais picantes do mundo em 2020, divulgado pelo site PepperScale, que se dedica a divulgar informação sobre o mundo das pimentas.

 

Artigo anterior

Ser refilão é puxar a empresa para baixo?

Próximo artigo

Criada reserva mundial de emergência de vacinas contra o ébola