Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Epigenética: a importância da alimentação no envelhecimento

Epigenética: a importância da alimentação no envelhecimento

A alimentação a e os fatores ambientais controlam até 98% da maneira como envelhecemos. Conheça os nutrientes mais importantes a pôr na mesa e os hábitos saudáveis que os potenciam.

Pinterest Google+
PUB

O nosso ambiente mudou drasticamente desde a revolução industrial. Sobretudo pelo aumento de alimentos processados e congelados, sem nutrientes bioativos, que contribuam para a boa manutenção da saúde.

 

Acumulamos muitas influências que não são toleradas pelo corpo e que devemos expelir, através dos processos naturais de eliminação. No entanto, estes processos não foram projetados para lidar com a quantidade e variedade de produtos criados a que estamos agora expostos, o que requer um suporte extra na forma como consumimos os alimentos.

 

Os metais tóxicos, a radiação e os químicos podem afetar o nosso corpo de maneiras dramáticas. O sistema tegumentar não está imune ao impacto destas influências e às mudanças ambientais.

 

VEJA TAMBÉM: EPIGENÉTICA: O SEGREDO DA LONGEVIDADE E DA BELEZA EM QUALQUER IDADE

 

Enquanto o verdadeiro efeito prejudicial está na nossa saúde geral, o impacto externo na nossa aparência física também pode ser bastante modificado por estes agressores. Precisamos de identificar e eliminar (desintoxicar) o corpo dessas influências, adotando um plano de destoxificação pelo menos duas vezes ao ano, ao encontro da paz celular.

 

Qualquer estado abaixo do “ideal” acabará por levar à perda de algumas funções e isto reflete-se na redução de energia vital diária, falta de sono, imunidade baixa, concentração reduzida, irritabilidade, dores generalizadas, recuperação lenta, suscetibilidade a lesões e muito mais. Se ficar neste estado por muito tempo, vamos sofrer de problemas crónicos.

 

A saúde e a beleza começam à mesa, mas para que isso aconteça é importante ter uma saúde oral de extrema qualidade, de forma a auxiliar o sistema gastrointestinal e garantir uma boa mastigação, digestão e assimilação de todos os nutrientes e processos metabólicos que vão contribuir na qualidade vida de cada um de nós.

 

Quando temos dificuldade em digerir os alimentos que consumimos, o corpo acaba por utilizar a energia de outra fonte para completar a digestão e libertar os nutrientes essenciais. Isto leva-nos a um processo de compensação que acaba por limitar a capacidade para completar a função de algum ciclo específico. Portanto, é importante ingerir alimentos que contenham nutrientes que apoiem o estado geral do corpo e contribuam para a manutenção da beleza exterior.

 

Quais os nutrientes mais importantes?

  • Ómegas

Ácido Alfa Linoléico ALA 3: estimula o crescimento do cabelo, reduz a inflamação da pele.

Ácido Araquidónico AA 6: previne a queda de cabelo e pele seca e escamosa.

Ácido Eicosapentaenóico EPA 3: estimula o crescimento do cabelo e acelera a cicatrização de feridas.

Ácido Oleico 9: pele seca ou opaca, ajuda no crescimento do cabelo e elimina a descamação do couro cabeludo.

 

  • Vitaminas

Vitamina A: fortalece as células da pele e previne a queda de cabelo.

Vitamina B1 e B2: nutre as células do folículo capilar.

Vitamina B5: dá flexibilidade, força, brilho ao cabelo e reduz a queda de cabelo.

Vitamina B6: auxilia na prevenção do couro cabeludo seco.

Vitamina B9: estimula o crescimento do cabelo, reduz o envelhecimento.

Vitamina B12: diminui a queda de cabelo.

Vitamina C: protege os folículos capilares, fortalece o colágeno para a pele,

cabelo e unhas.

Vitamina E: promove o crescimento do cabelo, fortalece as células da pele e a

elasticidade.

Vitaminas K1 e K2: melhora a elasticidade da pele e estimula o crescimento do

cabelo.

Biotina: essencial na prevenção da queda de cabelo e fortalece as unhas.

Inositol: estimula o crescimento do cabelo e das unhas.

 

  • Minerais

Cálcio: estimula o crescimento do cabelo, a resistência das unhas e da pele.

Iodo: reduz a secura da pele, unhas quebradiças e rachaduras nos cabelos.

Ferro: auxilia na elasticidade da pele e no crescimento do cabelo.

Magnésio: apoia o crescimento do cabelo através da estimulação do folículo.

Selénio: ajuda a manter o cabelo, a pele e as unhas saudáveis.

Zinco: estimula o crescimento do cabelo; previne a queda de cabelo.

 

  • Aminoácidos

Arginina: repara os danos à pele causados por UV’s promove o crescimento e a espessura do cabelo.

Cisteína: afeta o crescimento e a resistência das unhas, aumenta a elasticidade da pele.

Lisina: juntamente com o Zinco, promove a produção de colagénio para o cabelo, pele e unhas.

Metionina: melhora o tônus e a elasticidade da pele, promove a saúde do cabelo e das unhas.

Taurina:  aumenta a produção da queratina que fortalece o cabelo e as unhas.

 

  • Antioxidantes

Ácido alfa lipóico: afeta as rugas da pele, linhas finas e o crescimento do cabelo.

Co-Enzima Q10: melhora a circulação, apoia o crescimento do cabelo, unhas e auxilia na produção de colagénio.

 

Adote hábitos saudáveis

 

Durma o suficiente, a privação do sono e a sobrecarga de stress aumentam o cortisol, cuja elevação prolongada suprime a função imunitária.

 

A hidratação é fundamental, a água ajuda a transportar o oxigénio para as células, facilitando o funcionamento correto dos sistemas na remoção de toxinas do corpo e contribui na perda de peso.

 

Beba menos álcool, o consumo excessivo prejudica o sistema imunitário e aumenta a vulnerabilidade a infeções pulmonares e ao ganho de peso.

 

Evite fumar, este hábito diminui as defesas imunitárias básicas e aumenta o risco de bronquite e pneumonia, além de que contribui para ter infeções do ouvido médio.

 

Consuma muitos vegetais frescos, frutas, nozes e sementes. Estes fornecem os nutrientes necessários para o seu sistema imunitário e contribuem para um bom aporte de antioxidantes.

 

Os antioxidantes, são substâncias que protegem as células dos danos causados pelos radicais livres e são encontrados em grande quantidade em alimentos como as frutas, vegetais, nozes e cereais integrais e em menores quantidades em carnes, aves e peixes.

 

Considere o consumo de alimentos de ação simbiótica, como vegetais e chá verde fermentado. Existem provas científicas que estes reduzem as infeções respiratórias.

 

Exponha-se à luz solar pelo menos 45 minutos por dia, porque ela desencadeia a produção de vitamina D. Os baixos níveis desta vitamina podem aumentar o risco de infeções respiratórias e causar osteoporose precoce.

sol

Caminhe pelo menos 40 minutos por dia em ritmo acelerado. Há uma relação benéfica comprovada entre a caminhada diária e a sua função circulatória e respiratória.

 

Duas a três vezes por ano, procure um profissional de nutrição epigenética, um dermatologista e um especialista de saúde dentária e oral, cuidar de si é cuidar do ambiente ao seu redor.

 

E repouse 10 minutos por dia após o almoço, este momento é crucial para estar num encontro consigo e dessa forma simples recuperar a sanidade mental e o equilíbrio vital.

 

Ao cuidarmos bem da nossa saúde, estamos a criar efeitos diretos na aparência, melhorando a autoconfiança e a sensação de bem-estar.

 

Não podemos mudar os nossos genes, mas podemos, através de novos comportamentos, modificar a sua expressão e evoluirmos para uma atitude onde ser saudável, é estar em paz com as nossas células, o nosso corpo e com o meio ambiente.

 

Ao pensarmos e agirmos desta forma, torna-se fácil conjugar a beleza interior com o bem-estar exterior que emana de um corpo em perfeita harmonia com a vida e com a natureza.

 

Artigo anterior

Vitaminas e suplementos que aumentam a energia

Próximo artigo

Uvas: use e abuse delas agora