Home»S-Vida»Endoscopia digestiva alta permite diagnóstico precoce do cancro do estômago

Endoscopia digestiva alta permite diagnóstico precoce do cancro do estômago

Os sintomas associados a este cancro incluem a diminuição do apetite, azia ou indigestão, enfartamento precoce, perda de peso, anemia, etc. Dia Nacional do Cancro Digestivo assinala-se a 30 de setembro.

Pinterest Google+
PUB

O cancro do estômago, órgão que faz parte do sistema digestivo, ocorre quando as células do estômago se transformam em células anómalas e crescem de forma descontrolada. Ao contrário das células normais, as células cancerígenas não respeitam os limites do órgão, invadindo os tecidos circundantes, podendo disseminar-se a outras partes do organismo e provocar a morte do doente.

 

Entre os principais fatores que contribuem para o desenvolvimento do cancro do estômago encontram-se a obesidade; o tabagismo; a dieta rica em alimentos fumados e pobre em vegetais e fruta; a infeção por Helicobacter pylori e/ou pelo vírus Epstein-Barr; a inflamação do estômago (gastrite crónica); a presença de determinado tipo de pólipos do estômago e os antecedentes familiares de cancro gástrico.

 

VEJA TAMBÉM: O QUE É O MICROBIOMA HUMANO?

 

Os sintomas associados a este cancro incluem a diminuição do apetite; azia ou indigestão; enfartamento precoce; perda de peso; anemia; sangue nas fezes (normalmente manifestado por fezes pretas); vómitos, com ou sem sangue; desconforto abdominal. Contudo, numa fase inicial, o cancro do estômago pode não apresentar sintomas, o que determina a importância do aconselhamento médico e diagnóstico precoce.

 

Endoscopia digestiva alta

A endoscopia digestiva alta é o exame de eleição para o diagnóstico do cancro do estômago. Deste modo o revestimento do estômago (mucosa) é inspecionado cuidadosamente e se existirem alterações suspeitas poderão ser realizadas biopsias através do endoscópio (colheita de uma pequena amostra de tecido da mucosa do estômago para posteriormente ser examinada).

 

A observação das células suspeitas ao microscópio pela Anatomia Patológica pode confirmar o diagnóstico de cancro gástrico.

 

As opções de tratamento devem ser discutidas por uma equipa multidisciplinar e entram em linha de conta com o tipo, localização e extensão da doença, idade, estado geral e patologia associada.

 

As opções podem incluir terapêutica endoscópica (ressecção das lesões sem necessidade de remoção do estômago), cirurgia de remoção de parte ou da totalidade do estômago, radioterapia e quimioterapia, isoladas ou em associação.

Para consciencializar a população para o diagnóstico precoce do cancro do estômago, a Sociedade Portuguesa de Endoscopia Digestiva (SPED) está a promover a um vídeo que explica o que é a endoscopia digestiva alta e em que situações deve ser realizada.

 

A SPED, fundada em 1979, é uma associação científica, sem fins lucrativos e de utilidade pública, que congrega médicos e outros profissionais ligados à saúde que praticam ou se interessam pela endoscopia digestiva em Portugal.

 

Por João Antunes

Gastrenterologista, membro da Direção da Sociedade Portuguesa de Endoscopia Digestiva

 

Artigo anterior

Alegre a sua casa com as melhores flores outonais

Próximo artigo

Tecnologia inovadora para tratamento de varizes chega a Portugal