Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Encontradas concentrações elevadas de mercúrio nas penas dos pinguins da Antártida

Encontradas concentrações elevadas de mercúrio nas penas dos pinguins da Antártida

Descoberta mostra que este metal tóxico para os seres vivos e ecossistemas está cada vez mais presente no continente.

Pinterest Google+
PUB

Uma equipa de investigadores do Museu Nacional de Ciências Naturais (MNCN-CSIC) de Espanha, Estação Experimental de Zonas Áridas (EEZA-CSIC), Instituto de Saúde Carlos III e da Universidade de Múrcia publicou um estudo que mostra grandes quantidades de mercúrio nas penas de três espécies de pinguins da Antártida.

 

Segundo os pesquisadores, este é um indicador direto de que o mercúrio – um metal tóxico à saúde dos ecossistemas e dos seres vivos, por produzir alterações neurológicas, imunológicas e fisiológicas – está cada vez mais presente no continente.

 

Regiões polares como a Antártida atuam como sumidouros de mercúrio do ambiente natural e das atividades humanas. Porém, estas regiões remotas podem também gerar emissões de mercúrio devido à atividade vulcânica e, além disso, receber pela atmosfera o que é lançado em outras partes do planeta, de forma natural e por meio de atividades como a indústria ou a queima de combustíveis fósseis.

 

VEJA TAMBÉM: POLUIÇÃO PLÁSTICA NOS ECOSSISTEMAS AQUÁTICOS DEVE DUPLICAR ATÉ 2030

 

«Por estarem no topo da cadeia alimentar, pássaros como os pinguins são o modelo de estudo perfeito para medir a concentração de mercúrio presente na Antártida», diz em comunicado Andrés Barbosa, pesquisador do MNCN.

 

«No nosso trabalho, publicado no International Journal of Environmental Research and Public Health, analisámos a quantidade acumulada nas penas de três espécies, o pinguim gentoo, Pygoscelis papua, a barbicha, Pygoscelis antarcticus, e o pinguim Adelia, Pygoscelis adeliae, numa ampla área geográfica ao longo da Península Antártica; obtendo altas concentrações desse metal, especialmente no pinguim barbicha na Ilha King George», diz Barbosa.

 

Há apenas um mês, foi celebrado o 30º aniversário da assinatura do Protocolo de Madrid, um acordo complementar ao Tratado da Antártida que tem por objetivo a proteção da Antártida contra, entre outras ameaças, a exploração mineira.

 

Hoje, apesar de mais de 50 países terem aderido ao protocolo, a saúde de um dos cantos mais primitivos do planeta, fundamental em aspetos como a regulação das correntes oceânicas, continua ameaçada. «A conservação desse lugar único no mundo está a ser comprometida por fenómenos como as mudanças climáticas ou o aumento do turismo. Portanto, dados os efeitos deletérios do mercúrio nos ecossistemas, é fundamental continuar a analisar a sua presença no continente», conclui Barbosa.

 

 

Artigo anterior

Testes gratuitos a VIH-Hepatites até 29 de novembro

Próximo artigo

Textura, consciência e sensação: as vantagens de comermos com as mãos