Home»GLAMOUR»CELEBRIDADES»Emma Watson reúne trinta líderes para lutar contra a desigualdade

Emma Watson reúne trinta líderes para lutar contra a desigualdade

Emma Watson não cruza os braços quando se trata de promover um mundo mais equitativo. Depois do seu famoso discurso, de doze minutos, na Assembleia das Nações Unidas, em setembro de 2014, a atriz britânica continua a lutar pela igualdade de género.

Pinterest Google+
PUB

Emma Watson, de 25 anos, acompanhada por Ban Ki-moon, Secretário-Geral da ONU, apresentou uma nova iniciativa, neste fim-de-semana, no Fórum Económico de Davos.

 

O programa piloto tem por nome ‘10x10x10 Impacto’ e visa a continuação da campanha ‘HeForShe’ (‘Ele por Ela’) que pretende eliminar as diferenças de género, envolvendo os homens nesta luta.

 

A iniciativa implica que, num total de 30 líderes políticos, empresários e universitários, se documente as mudanças que ocorrem nas determinadas áreas no que diz respeito à igualdade de género. «Queremos ouvir as histórias por trás das organizações. Mulheres, quem foram os vossos mentores? Pais, quem cuidou dos vossos filhos? Maridos, quem vos apoiou para que pudessem alcançar os vossos sonhos? Têm apoiado mulheres empresárias em posições de liderança? Queremos ouvir da vossa boca», aclamou Watson na conferência.

 

Veja a galeria: Celebridades com causas humanitárias

 

A atriz não cruza os braços quando se trata de promover um mundo mais equitativo. Desde 20 de setembro de 2014, quando a atriz britânica enfrentou a plateia na Assembleia das Nações Unidas e, durante 12 minutos, elaborou um emocionante e muito aplaudido discurso acerca da importância da igualdade e do seu trabalho enquanto Embaixadora da Bom Vontade da ONU Mulheres.

 

Desde o lançamento do ‘HeForShe’ que a resposta do público tem sido esmagadora. De acordo com dados fornecidos por Watson, mais de 11 milhões de pessoas assistiram à palestra que proferiu na Assembleia da ONU, foi um tópico bastante falado no Twitter e foi apoiada por personalidades como Hillary Clinton, o Príncipe Henry de Inglaterra e Yoko Ono. «Esta iniciativa é um marco. Com isto, conseguiremos lidar com as desigualdades de género que as mulheres enfrentam», acrescentou.

Artigo anterior

Romeu e Julieta

Próximo artigo

Woody Allen escolhe Miley Cyrus para protagonizar nova série