Home»FOTOS»Eis porque o stress põe as pessoas doentes

Eis porque o stress põe as pessoas doentes

Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos da América fornece uma visão sobre como certos tipos de stress influenciam o organismo, levando ao desenvolvimento de doenças a nível físico. Os resultados podem mudar a maneira como os transtornos quotidianos resultantes de stress são tratados.

Pinterest Google+
PUB

Se sempre ouviu dizer que demasiado stress causa problemas de saúde de diversa ordem nas pessoas e nunca percebeu porquê, um estudo realizado na Universidade de Michigan, EUA, quis perceber a veracidade por detrás dessa crença e conseguiu explicar como o organismo reage a nível físico a estes estímulos mentais exacerbados.

 

O pesquisador Adam Moeser, numa pesquisa realizada em 2018,  apresenta uma  visão sobre como certos tipos de stresse interagem com células do sistema imunitário e como essas células respondem a alérgenos, causando sintomas e doenças físicas, explica em comunicado esta universidade.

 

Estudo em ratos

O estudo mostrou como um recetor de stress, conhecido como fator de libertação de corticotrofina, ou CRF1, pode enviar sinais para certas células do sistema imunitário, chamados de mastócitos e controlar como eles defendem o corpo.

 

VEJA TAMBÉM: STRESS NAS MULHERES DIMINUI COM A IDADE

 

Durante o estudo, Moeser comparou as respostas de histamina de ratos a dois tipos de condições de stress – psicológicas e alérgicas – quando o sistema imunológico enfrenta excesso de trabalho. Um grupo de ratos foi considerado “normal” com recetores de CRF1 nos seus mastócitos e o outro grupo tinha células que não apresentavam CRF1.

 

«Enquanto que os ratos normais expostos ao stress apresentavam altos níveis de histamina e de doença, os ratos sem CRF1 apresentavam baixos níveis de histamina, menos doenças e estavam protegidos contra ambos os tipos de stress», explica o cientista. «Isto diz-nos que o CRF1 está criticamente envolvido em algumas doenças iniciadas por esses desencandeadores de stress», acrescenta.

 

 

Os ratos deficientes em CRF1 expostos ao stress alérgico apresentaram uma redução de 54% da doença, enquanto que os ratos que sofreram stress psicológico apresentaram uma redução de 63%.

 

Os resultados podem mudar a maneira como os transtornos quotidianos, como a asma e os sintomas gastrointestinais debilitantes da síndrome do intestino irritável, são tratados. «Todos sabemos que o stresse afeta a conexão mente-corpo e aumenta o risco de muitas doenças», disse Moeser. «A questão é como?».

 

O cientista conclui, por fim, que «este trabalho é um passo crítico na decodificação de como o stress nos deixa doentes e fornece um novo caminho para terapias que melhorem a qualidade de vida das pessoas que sofrem de doenças comuns relacionadas com stress». Veja agora, na galeria no início do artigo, dez sinais de stress menos óbvios que se revelam no seu corpo e que deve conhecer.

 

Artigo anterior

A relação dos números com o mundo

Próximo artigo

Cientistas identificam pela primeira vez as 272 espécies invasoras em águas interiores de Portugal e de Espanha