Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Edição limitada de moscatel roxo de Setúbal com 100 anos vai a leilão

Edição limitada de moscatel roxo de Setúbal com 100 anos vai a leilão

No âmbito das comemorações dos 184 anos da José Maria da Fonseca, serão lancadas 184 garrafas deste moscatel, das quais 100 irão a leilão. A disputa vai decorrer no próximo mês de outubro, antecedido de um jantar limitado a 70 pessoas.

Pinterest Google+

A José Maria da Fonseca vai levar a leilão uma edição limitada e comemorativa do Moscatel Roxo de Setúbal Superior 1918. Este ano, no âmbito da comemoração dos 184 anos desta adega e dos 100 anos do nascimento de Fernando Soares Franco, rosto da 5ª geração à frente da José Maria da Fonseca, a família irá lançar 184 garrafas numeradas de Moscatel Roxo de Setúbal Superior 1918, levando apenas 100 a leilão. O lançamento, feito através de leilão, será dia 25 de outubro, na Casa Museu da José Maria da Fonseca, em Vila Nogueira de Azeitão.

 

A história e o carácter deste vinho centenário, limitado e raro, fascina os especialistas e colecionadores de vinho, mas também verdadeiros apaixonados pela história e cultura vínica. Para celebrar este lançamento único a Casa Museu José Maria da Fonseca prepara um jantar nas Caves, limitado a 70 lugares, que antecede o leilão.  Por 60€ poderá inscrever-se no jantar e participar no leilão, que está a cargo do Palácio do Correio Velho.

 

VEJA TAMBÉM: VINHOS E GOLFINHOS: UMA EXPERIÊNCIA NO SADO

 

Para enriquecer o Leilão, para além das garrafas de Moscatel Roxo de Setúbal Superior de 1918, estarão em licitação num total de 34 lotes outras colheitas antigas de Moscatel de Setúbal e aguardentes, uma garrafa de Apothéose, um Bastardinho de Azeitão com mais de 80 anos, do qual irão apenas ser produzidas 40 garrafas.

 

A sexta e sétima geração da família à frente da José Maria da Fonseca reuniu-se para escolher o Moscatel que melhor pudesse homenagear Fernando Soares Franco, membro da 5ª geração da família e grande apaixonado pela viticultura mundial.  Na viticultura nacional destaca-se a sua paixão pela casta Moscatel Roxo de Setúbal, tendo evitado a extinção desta variedade durante as décadas de 70 e 80. No vasto leque de possibilidades a escolha recaiu no Moscatel Roxo de Setúbal de 1918 que estava classificado com a letra mais nobre e que mais se destacava, a que atribuía a designação do Superior, informa a adega.

 

VEJA TAMBÉM: OS MELHORES VINHOS PARA O VERÃO: HARMONIZAÇÕES E TEMPERATURAS

 

A data de colheita, coincidente com o nascimento de Fernando Soares Franco. A José Maria da Fonseca possui um património ímpar de Moscatéis de Setúbal, assumindo com isso uma enorme responsabilidade na preservação não só da coleção de colheitas que cuidadosamente envelhecem na Adega dos Teares Velhos como na preservação do património cultural e histórico da produção de Moscatéis de Setúbal.

 

Parte desta cultura mantém-se viva com a continuação das tradições como é o caso das seculares provas e classificações de cada colheita, que até hoje são marcadas em determinadas categorias, ora por letras, ora por palavras, como dos Leilões de Moscatel de Setúbal da José Maria da Fonseca. Iniciados no século XIX, estes leilões foram frequentes até à primeira metade do século XX. Após algumas décadas de interregno a 6ª geração da família retomou a tradição em 2008, com o lançamento do Moscatel Roxo Superior de 1960. Depois deste regresso aconteceram mais dois lançamentos em 2011 e 2014, do Moscatel de Setúbal Superior de 1955 e do Moscatel de Setúbal Superior 1911, respetivamente. Este será o quarto leilão do século XXI.

Artigo anterior

Como ajudar alguém com pensamentos suicidas?

Próximo artigo

Os benefícios de cortar o cabelo curto… e algumas ideias