Home»VIDA»CARREIRA»E você, fala emoji?

E você, fala emoji?

Os emojis são cada vez mais populares e amplamente utilizados na sociedade atual. Se fala emoji e procura emprego, esta pode ser uma sugestão.

Pinterest Google+

Uma empresa de tradução global, com sede em Londres, pretende contratar aquele que será o primeiro tradutor oficial de emojis do mundo.

 

O anúncio de emprego foi publicado na internet há duas semanas e já atraiu 100 candidatos de todo o planeta. A ‘Today Translations’, a empresa de tradução, precisa de um especialista em descodificar emojis para traduzi-los consoante culturas, línguas e gerações. «Estamos a investir tempo e energia nisto porque acreditamos que o uso de emoji vai tornar-se cada vez mais popular», diz Jurga Zilinskiene, CEO e fundadora da ‘Today Translations’, à ‘CNN’. «É uma área complexa».

 

Veja também: Emojis em exposição no ‘Moma’

 

Segunda a fundadora, os ocidentais recorrem muito ao emoji que ri e chora ao mesmo tempo, para mostrar que estão a rir mesmo muito. O nome oficial para este emoji é ‘face com lágrimas de alegria’. No entanto, as culturas do Médio Oriente tendem a interpretar este emoji como uma representação de choro e tristeza.

 

De acordo com o posto de trabalho, o especialista emoji terá a função de fornecer trabalho de tradução e de escrever relatórios mensais acerca das tendências, desenvolvimentos, usos e áreas de confusão e diferenças culturais.

 

Veja também: ‘Ahah’ destrona ‘Lol’ no Facebook

 

A empresa paga normalmente entre 60 a 130 euros pela tradução de mil palavras por conteúdo. Um especialista emoji pode ter uma estrutura de remuneração diferente com base no facto de um único emoji não se traduzir necessariamente numa única palavra. A posição será de freelancer.

 

Com o intuito de encontrar os melhores candidatos, a empresa criou, inclusive, um teste online a pedir que as pessoas traduzissem sequências de emojis em frases (em inglês) como, por exempo: Statue of Liberty (Estátua da Liberdade)+ plane (avião) = New York Jets.

 

Artigo anterior

People4Soil – uma petição europeia

Próximo artigo

Sumos de frutas e vegetais são a nova aposta da Vitacress Portugal