Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Dormir mal à medida que se envelhece é um mecanismo de sobrevivência

Dormir mal à medida que se envelhece é um mecanismo de sobrevivência

Um estudo pioneiro trouxe luz para aquela que é considerada uma tragédia humana: dormimos cada vez menos e pior à medida que envelhecemos. Mas, afinal, poderá ser um mecanismo de defesa da espécie.

Pinterest Google+
PUB

Como parte do estudo, 33 homens e mulheres saudáveis de 20 a 60 anos concordaram em usar um pequeno dispositivo semelhante a um relógio nos seus pulsos durante 20 dias, que registaram os seus movimentos noturnos.

 

Os padrões de sono raramente estavam em sincronia, descobriram os pesquisadores. Em média, os participantes foram para a cama pouco depois das 10 da noite. E acordam por volta das 7 da manhã. Mas alguns tendem a retirar-se logo às 20h e acordam às 6 da manhã, enquanto outros ficaram acordados até às 23h e acordaram às 8h00 da manhã.

 

Veja também: Curiosidades sobre o sono

 

Pelo meio, eles despertaram do sono várias vezes durante a noite, virando-se ou levantando-se para fumar, cuidarem de um bebé, ou para se aliviarem. Como resultado, momentos em que todos estavam a dormir eram raros. Com mais de 220 horas de observação total, os pesquisadores ficaram surpreendidos ao encontrar apenas 18 minutos em que todos os adultos estavam a dormir profundamente. Em média, mais de um terço do grupo estava em alerta, ou dormia muito levemente, em qualquer momento.

 

E trataram-se de adultos saudáveis. O estudo não incluiu crianças e nem pessoas feridas ou doentes. No entanto, os participantes não se queixaram de problemas de sono.

 

Veja também: Ensine o seu filho a dormir segundo recomendações pediátricas

 

Estudos anteriores encontraram padrões semelhantes em aves, ratos e outros animais, mas esta é a primeira vez que o fenómeno foi testado em seres humanos, revela o comunicado da Universidade do Nevada.

 

«Muitas pessoas mais velhas vão ao médico reclamando que acordam e não conseguem voltar a dormir, mas talvez não haja nada de errado com eles», disse o coautor Charlie Nunn, professor de antropologia evolutiva na Universidade de Duke. «Talvez alguns dos problemas médicos que temos hoje possam ser explicados não como transtornos, mas como uma herança de um passado onde eles foram benéficos».

Artigo anterior

Venezuelano bate recorde do mundo ao nadar 177 metros em apneia

Próximo artigo

70 anos da Pão de Forma celebrados com festival em Portugal