Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Dormir mal à medida que se envelhece é um mecanismo de sobrevivência

Dormir mal à medida que se envelhece é um mecanismo de sobrevivência

Um estudo pioneiro trouxe luz para aquela que é considerada uma tragédia humana: dormimos cada vez menos e pior à medida que envelhecemos. Mas, afinal, poderá ser um mecanismo de defesa da espécie.

Pinterest Google+
PUB

Existe afinal uma razão para os problemas de sono que chegam com a idade, nomeadamente as insónias, o sono leve e a redução do seu número de horas. Trata-se de um antigo mecanismo de sobrevivência da espécie humana, revela um novo estudo levado a cabo pelas universidades do Nevada e de Duke, nos EUA, e pela Universidade de Toronto, no Canadá.

 

O estudo a três foi realizado na Tanzânia em grupos de caçadores-coletores modernos e descobriu que, para as pessoas que vivem em grupos, as diferenças nos padrões de sono comumente associados à idade ajudam a garantir que, pelo menos, uma pessoa esteja acordada e em alerta.

 

Veja também: As vantagens de dormir sem roupa

 

«Há a ideia de que há benefícios em viver com os avós, mas este estudo estende essa ideia à vigilância durante o sono noturno», disse David Samson, professor assistente de antropologia da Universidade de Toronto.

 

O povo Hadza, que vive no norte da Tanzânia, vive da caça e recolha de alimentos, seguindo os ritmos de dia e de noite, assim como os humanos fizeram durante centenas de milhares de anos antes de se começar a cultivar e a pastar gado.

 

Veja também: Saiba quantas horas deve dormir uma criança consoante a idade

 

Os Hadza vivem e dormem em grupos de 20 a 30 pessoas. Durante o dia, seguem caminhos separados à procura de tubérculos, bagas, mel e caça, perto do lago Eyasi e áreas adjacentes. Há noite, voltam a reunir-se e jovens e velhos dormem juntos em cabanas feitas de ervas e ramos.

 

«Eles são tão modernos quanto nós. Mas eles contam uma parte importante da história evolutiva humana, porque vivem um estilo de vida mais parecido com o nosso passado de caça e  recolha de alimentos» comenta a coautora do estudo, Alyssa Crittenden, professora de antropologia Na Universidade de Nevada. «Eles dormem no chão, e não têm iluminação artificial ou clima controlado – características que caracterizaram o ambiente ancestral de como os humanos dormiam»

Artigo anterior

Venezuelano bate recorde do mundo ao nadar 177 metros em apneia

Próximo artigo

70 anos da Pão de Forma celebrados com festival em Portugal