Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Doação de ovócitos: conheça todo o processo para uma gravidez de sucesso

Doação de ovócitos: conheça todo o processo para uma gravidez de sucesso

A doação de ovócitos é um dos métodos de tratamento indicados para solucionar problemas de fertilidade na mulher e tem taxas de sucesso que rondam os 50%.

Pinterest Google+

Estima-se que em Portugal a infertilidade conjugal (não obtenção de gravidez ao final de um ano) possa atingir perto de 15 % dos casais em idade reprodutiva. A OMS (Organização Mundial de Saúde) considera que estes valores são uma questão de saúde pública, que tem aumentado nas últimas décadas devido a vários motivos dos quais se salientam o adiar da maternidade, mas fundamentalmente a idade da mulher quando decide ter um filho, a exposição cada vez maior das populações a poluentes e substâncias tóxicas (tabaco, álcool e drogas), o sedentarismo, e a alta incidência de doenças sexualmente transmissíveis.

 

A cada dia cresce a indicação para doação de ovócitos (gâmeta feminino) nas mulheres que não conseguem obter uma gravidez com os seus próprios ovócitos. Isso pode ocorrer por diversas causas, envolvendo fatores genéticos, ausência ou insuficiência congénita dos ovários, eliminação cirúrgica dos ovários, tratamentos de quimioterapia em doenças oncológicas, abortos espontâneos de repetição, incompatibilidade genética, insucesso repetido em tentativas de fertilização in vitro (FIV) ou microinjecção (ICSI), ou situações relacionadas com o envelhecimento ovárico natural ou precoce (falência ovárica – menopausa – antes dos 45 anos), entre outros fatores.

 

 Veja também: Formas de prevenir a infertilidade

 

Entre todos os diagnósticos referidos, podemos destacar a insuficiência/falência ovárica em mulheres com idade acima dos 35 anos e sobretudo acima dos 43 anos como a principal causa da indicação para doação de ovócitos. Este facto está relacionado sobretudo com as grandes mudanças que ocorreram nos últimos anos com o comportamento social da mulher, que se prepara arduamente para obter êxito no campo profissional e, ao adiar a maternidade em benefício da estabilidade no mercado de trabalho, a mulher opta por engravidar quando o processo de falência/ insuficiência ovárica já foi iniciado.

 

A doação de ovócitos é um dos métodos de tratamento indicados para solucionar estes problemas na mulher e tem taxas de sucesso que rondam os 50-55%.

 

Veja também: Gravidez depois dos 40

 

O tratamento na prática é a utilização da técnica de ICSI ou FIV usando ovócitos de uma dadora, realizando-se habitualmente um ciclo “a fresco”, ou seja, a dadora e a recetora fazem os seus tratamentos na mesma altura até à colheita dos ovócitos para fertilizar. 
Antes de iniciar o tratamento, os ciclos da dadora e da recetora têm que ser sincronizados, recorrendo-se para isso à pílula ou a outras hormonas.

Artigo anterior

Estudo comprova influência dos comentários no Twitter nas receitas de cinema

Próximo artigo

Afinal, ainda é preciso lutar pelos direitos das mulheres?