Home»S-Vida»Dicionário da saúde feminina: as doenças das mulheres

Dicionário da saúde feminina: as doenças das mulheres

Apresentamos-lhe um guia com algumas das doenças e patologias características das mulheres.

Pinterest Google+
PUB

Candidíase

A candidíase vaginal é uma infeção provocada por um fungo, o Cândida ou Monília, que causa um corrimento espesso, grumoso e esbranquiçado, acompanhada geralmente de irritação no local. Alguns estudos indicam que o fungo pode estar na flora vaginal e, quando a resistência do organismo ou a resistência vaginal diminuem, pode ocorrer a multiplicação do fungo e a manifestação dos sintomas. Entre 20% a 25% dos casos de corrimentos genitais de natureza infeciosa têm como causa a candidíase. Diz-se que 75% das mulheres têm esta infeção pelo menos uma vez na vida.

 

Cólica

Também conhecida por dismenorreia, este é o sintoma mais natural e comum que acompanha a menstruação. Juntamente à tensão pré-menstrual, é uma das principais queixas das mulheres. Há dois tipos de cólica: a primária, que existe desde a menarca (nome dado à primeira menstruação) juntamente com o início dos ciclos ovulatórios; e a secundária, que surge após um período sem dor. A cólica primária é de natureza desconhecida e inata ao organismo feminino. Já a cólica secundária pode ser provocada por doenças como inflamações pélvicas, endometriose e fibromiomas. Geralmente a cólica precede a menstruação por alguns dias e intensifica-se com a chegada do fluxo menstrual.

 

Corrimento

É uma irritação ou secreção anormal expelida pela vagina, que geralmente possui um odor desagradável. As principais causas do corrimento são infeções vaginais, vulvites e vulvovaginites, infeções cervicais ou do colo do útero e doenças sexualmente transmissíveis.

 

VEJA TAMBÉM: MULHERES SÃO DUAS VEZES MAIS AFETADAS DO QUE OS HOMENS POR PROBLEMAS DE SAÚDE DIGESTIVA

 

Endometriose

Doença caracterizada pela presença do endométrio – tecido que reveste o interior do útero – fora da cavidade uterina, ou seja, em outros órgãos da pelve: trompas, ovários, intestinos e bexiga. Todos os meses, o endométrio fica mais espesso para que um óvulo fecundado possa implantar-se. Quando não há gravidez, esse endométrio que aumentou descama e é expelido na menstruação. Em alguns casos, um pouco desse sangue migra no sentido oposto e cai nos ovários ou na cavidade abdominal, causando a lesão endometriótica. A doença afeta mulheres a partir da primeira menstruação e pode estender-se até a última. Geralmente, o diagnóstico acontece quando a paciente está na faixa dos 30 anos.

 

Infeção urinária

É causada pela presença anormal de microrganismos em alguma região do trato urinário. Algumas pessoas, especialmente mulheres, podem apresentar bactérias no trato urinário e não desenvolverem infeção urinária. As principais causas são as relações sexuais e a presença das bactérias da zona gastrointestinal que migram por via ascendente da região perineal até à bexiga. A doença é mais comum na idade reprodutiva e nas mulheres que estão na menopausa.

 

Cancro do colo do útero

É uma lesão invasiva intrauterina causada principalmente pelo HPV, o papilomavírus humano. Pode manifestar-se através de verrugas na mucosa da vagina, do ânus, da laringe e do esófago, ser assintomático ou causar lesões detetadas por exames complementares. A doença pode demorar de 10 a 20 anos para se desenvolver. Quando este problema não é tratado, pode evoluir para um tumor maligno. Afeta na sua maioria mulheres entre os 40 e 60 anos de idade.

 

Osteoporose

É a perda acelerada de massa óssea, que ocorre durante o envelhecimento, provocando a diminuição da absorção de minerais e de cálcio. Três em cada quatro doentes são do sexo feminino e a doença afeta principalmente as mulheres que estão na fase pós-menopausa. A fragilidade dos ossos nas mulheres é causada pela ausência da hormona feminina estrogénio, o que torna os ossos porosos como uma esponja. É considerada o segundo maior problema de saúde mundial, ficando atrás apenas das doenças cardiovasculares.

 

Cancro da mama

É uma das doenças mais assustadoras para as mulheres, também porque afeta a perceção da sexualidade e a imagem pessoal. O cancro da mama é um tumor maligno formado pelo desenvolvimento de células de maneira desordenada, criando um ou mais nódulos na mama. Não existe uma causa específica para a doença, mas conheça alguns fatores de risco: ter mais de 50 anos; histórico familiar; não ter filhos ou ter depois dos 30 anos; elevado consumo de álcool; excesso de peso (gordura na região abdominal); falta de exercício físico; entre outros.

 

 

Miomas

Miomas ou fibromas são tumores benignos do útero, consistindo numa desordem hormonal que causa um entrançamento das fibras musculares e, assim, a formação de nódulos nesse órgão. Geralmente localizam-se na zona genital e têm uma cor esbranquiçada e consistência firme. Em geral, os miomas são múltiplos. O fibroma é favorecido pela obesidade e a nuliparidade (não ter filhos) e causado pelo estrogénio. Por isso a maior incidência de miomas ocorre no período máximo da reprodutividade feminina, até à chegada da menopausa.

 

Doenças sexualmente transmissíveis (DSTs)

Não são só das mulheres, mas são aquelas que podem ser adquiridas durante o contato sexual, logo o não uso do preservativo é a principal causa do contágio. As doenças mais conhecidas são: gonorreia, sífilis, herpes genital, candidíase e clamídia.

 

Vaginose bacteriana

É uma infeção genital causada por bactérias, principalmente pela Gardnerella Vaginalis. Não é considerada uma doença sexualmente transmissível, no entanto, a transmissão ocorre também pelo contacto íntimo ou relação sexual. A vaginose é a causa mais comum do corrimento genital e a segunda causa da candidíase. Esta infeção desencadeia um desequilíbrio da flora vaginal fazendo com que a concentração de bactérias aumente. Durante a menstruação, a vaginose causa um odor desagradável e forte, pois nesse período a ação das bactérias aumenta. Essa doença ocorre principalmente em mulheres na idade reprodutiva que usam DIU ou são fumadoras.

 

Artigo anterior

Madeira: uma viagem pela Pérola do Atlântico

Próximo artigo

Recupere o vigor e o brilho da pele segundo dermatologistas