Home»BEM-ESTAR»SAÚDE»Diarreia associada à toma de antibióticos

Diarreia associada à toma de antibióticos

A 18 de novembro, assinala-se o Dia Europeu dos Antibióticos, para recordar os perigos associados à sua toma. O gastroenterologista Jorge Fonseca explica como podem afetar o intestino.

Pinterest Google+
PUB

A utilização de antibióticos no tratamento da diarreia apenas é recomendada em casos muito específicos e requer sempre a avaliação médica.

 

Alguns microrganismos vivos (bactérias e leveduras), tais como Lactobacillus rhamnosus, Bifidobacterium bifidum e Saccharomyces boulardii, não patogénicos, são utilizados na prevenção e tratamento da diarreia provocada por diferentes agentes etiológicos. Para que estes microrganismos exerçam a sua ação benéfica no intestino, é necessário que os mesmos sejam resistentes à acidez do estômago, aos fluidos intestinais e à temperatura corporal (aproximadamente 37ᵒC). Estes microrganismos, ao modificarem a composição da microbiota intestinal, criam condições que limitam a multiplicação dos agentes patogénicos.

 

Veja também: Alimentos funcionais – prebióticos, probióticos e simbióticos

 

Saccharomyces boulardii – Tratamento da diarreia aguda e prevenção da diarreia associada à toma de antibióticos

A temperatura ideal para o Saccharomyces boulardii é entre os 22-30℃, no entanto esta levedura sobrevive aos 37℃, dando-lhe a vantagem de ser um dos microrganismos vivos utilizados que melhor resiste à temperatura do corpo humano.[1]

 

O efeito benéfico de S. boulardii é conseguido através de diversos mecanismos, entre os quais a adesão à superfície da mucosa intestinal, competindo com os agentes patogénicos; fortalecimento do efeito barreira da mucosa intestinal e estimulação das defesas imunitárias não específicas.

 

Veja também: Aprenda a identificar os aditivos alimentares

 

A associação de Saccharomyces boulardii à terapêutica com antibióticos, em crianças e adultos, reduz o risco de ocorrência de diarreia associada à toma de antibióticos.

 

[1] World Journal of Gastroenterology, World Journal of Gastroenterology www.wjgnet.com Volume 16 Number 18 May 14 2010

 

Por Professor Doutor Jorge Fonseca

Gastroenterologista

Artigo anterior

Na andropausa e na menopausa…o que comer?

Próximo artigo

E quando nos fartamos das redes sociais?