Home»VIDA»CARREIRA»Delta, Farfetch e Bosch: as empresas mais atrativas para trabalhar em Portugal

Delta, Farfetch e Bosch: as empresas mais atrativas para trabalhar em Portugal

Estudo da Randstad anuncia as empresas mais atrativas para trabalhar na opinião dos portugueses. O índice indica também os setores mais atraentes para os portugueses e são eles os da saúde, tecnologias de informação e automóvel.

Pinterest Google+
PUB

A Delta Cafés foi considerada a empresa mais atrativa para trabalhar em Portugal, pelo segundo ano consecutivo, de acordo com o Randstad Employer Brand Research 2022, divulgado ontem. A Farfetch e Bosch entram para o top 3 com uma subida de 8 e 15 lugares, respetivamente.

 

Entre os fatores mais valorizados numa empresa, por quem procura emprego, estão o salário e benefícios (72%), mas também, o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal (67%) e o bom ambiente de trabalho (67%). De destacar que, em 2022, estes fatores assumem maior preponderância do que em anos anteriores (resultados do estudo 2021: salário e benefícios (71%), equilíbrio vida profissional e pessoal (66%) e bom ambiente de trabalho (65%)).

 

O estudo acrescenta que os benefícios que os portugueses mais gostariam que o seu empregador lhes oferecesse, para valorizar o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal, são acordos de trabalho flexíveis (48%) e oportunidades de progressão na carreira (47%). Para 89% dos inquiridos, é também considerado muito importante que a empresa onde trabalham lhes ofereça oportunidades de upskilling e reskilling. “A verdade é que a rápida transformação digital acelerou o risco das competências atuais se tornarem obsoletas. Os profissionais têm o desafio de se reinventarem num mercado de trabalho em constante mudança e as empresas devem ter isto em consideração”, acrescenta o CEO da Randstad Portugal.

 

VEJA TAMBÉM: AS 20 PERGUNTAS A FAZER ANTES DE PROCURAR UM NOVO EMPREGO

 

“Em alturas de escassez de talento, é importante olhar para o que os talentos mais valorizam e de que forma podem as empresas desenvolver estratégias que sejam capazes de responder às suas necessidades.  No entanto, não podemos deixar de salientar que uma estratégia de employer brand não se constrói de um dia para o outro. Tem por base uma relação de confiança e, por isso, é algo que deve ser cada vez mais estratégico dentro das organizações e com efeitos reais na atração e retenção de talento” afirma José Miguel Leonardo, CEO da Randstad Portugal.

 

Apesar da progressão na carreira ser um fator importante para 81% dos portugueses, este critério assume uma maior relevância para a geração mais nova (18-34 anos: 85%) e com maiores habilitações literárias (84%).

 

Aquele que é considerado o maior estudo independente de employer branding, realizado pela Kantar, analisa anualmente as principais tendências do mercado de trabalho e dá a conhecer as empresas e setores mais atrativos para trabalhar em 31 países, incluindo Portugal.

 

Realiza pelo 7.º ano consecutivo, para analisar a perceção da população em relação aos 150 maiores empregadores de 31 países. Em Portugal, o inquérito foi realizado online em janeiro de 2022, a 4.997 indivíduos (profissionais ativos, desempregados e estudantes), com idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos. A maioria dos participantes é residente em Lisboa (38%), seguindo-se a região Norte (34%) e o Centro (18%) do país.

A importância do trabalho remoto

Segundo o Randstad Employer Brand Research deste ano, o trabalho remoto diminuiu de 52% em 2021 para 38% em 2022. São principalmente as mulheres (40%) e aqueles com maiores habilitações literárias (48%) que trabalham a partir de casa. Para 32% dos colaboradores portugueses, trabalhar remotamente é impossível ou não permitido. Daqueles que atualmente trabalham apenas remotamente (23%), menos de metade (41%) espera assim continuar no futuro.

 

Revela também que 1 em cada 5 portugueses (26%) pretende mudar de emprego este ano, uma tendência crescente em relação a 2021 (20%). São principalmente as mulheres (28%), os menores de 35 anos (31%) e os inquiridos com maiores habilitações literárias (28%) que demonstram esta intenção.

 

“Os últimos anos fizeram com que as pessoas colocassem em perspetiva a sua vida e passassem a olhar para o emprego com outros olhos. E os resultados deste ano são já reflexo do efeito que os últimos eventos, a nível económico e social, tiveram em todos nós, dando destaque a marcas que se mostraram muito ativas e próximas dos seus colaboradores, como é o caso da Delta Cafés”, afirma José Miguel Leonardo, CEO da Randstad Portugal. “Este resultado, e este estudo de uma maneira geral, só vem reforçar a importância do employer brand na atração e retenção de talento”.

 

Top 20 das empresas mais atrativas para trabalhar:

1 – Delta Cafés

2 – Farfetch

3 – Bosch

4 – Nestlé

5 – Hovione

6 – Siemens

7 – Banco de Portugal

8 – RTP – Rádio e Televisão de Portugal

9 – The Navigator Company

10 – Volkswagen Group Services

11 – OGMA – Indústria Aeronáutica de Portugal

12 – Fujitsu Technology Solutions

13 – Ikea Portugal

14 – JOAQUIM CHAVES SAÚDE

15 – Volkswagen Autoeuropa

16 – Hospital da Luz

17 – Nokia

18 – Sumol+Compal

19 – PSA Peugeot Citroën

20 – Pestana Hotel Group

 

Top 10 dos setores mais atrativos para trabalhar:

1 – Saúde

2 – IT, Consultoria e Telecomunicações

3 – Automóvel

4 – Turismo, Desporto e Entretenimento

5 – FMCG e Indústria Alimentar

6 – Banca e Serviços Financeiros

7 – Indústria

8 – Aviação

9 – Customer Care e Shared Services

10 – Serviços

 

Artigo anterior

Solução portuguesa que permite eliminar espera pela água quente ganha prémio de inovação

Próximo artigo

Festival do Arroz Carolino apresenta as múltiplas formas de cozinhar arroz