Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Deficiência de vitamina D aumenta risco de cefaleia crónica

Deficiência de vitamina D aumenta risco de cefaleia crónica

Cada vez mais estudos apontam para a importância da vitamina D para o bom funcionamento do organismo. A sua carência provoca distúrbios a vários níveis.

Pinterest Google+
PUB

A deficiência de vitamina D pode aumentar o risco de cefaleia crónica, de acordo com um novo estudo da Universidade da Finlândia Oriental.

 

O estudo analisou os níveis séricos (quantidade da substância no sangue) de vitamina D e a ocorrência de cefaleias em aproximadamente 2.600 homens com idades entre os 42 e os 60 anos, no período de 1984-1989. Em 68% destes homens, o nível sérico de vitamina D foi inferior a 50 nmol/l, que é geralmente considerado o limiar para a deficiência de vitamina D.

 

Veja também: Saiba como obter vitamina D

 

A cefaleia crónica, que ocorre pelo menos numa base semanal, foi relatada por 250 homens. E quem relatou dor de cabeça crónica apresentou níveis séricos mais baixos de vitamina D do que os outros.

 

Quando a população do estudo foi dividida em quatro grupos com base nos níveis séricos de vitamina D, o grupo com os níveis mais baixos apresentou um risco duplo de cefaleia crónica em comparação  com o grupo com os níveis mais altos. Este problema também foi encontrado com mais frequência em homens examinados fora dos meses de verão. Graças à radiação UVB do sol, os níveis médios sericos de vitamina D são mais elevados durante os meses de verão.

 

Veja também: Saiba qual a importância da vitamina D para a nossa saúde

 

Esta não e a primeira vez que baixos níveis de vitamina D são associados a um risco de cefaleia. Alguns estudos anteriores de menor dimensão já o tinham feito. Na Finlândia e em outros países longe do Equador, a radiação UVB do sol é uma fonte suficiente de vitamina D durante os meses de verão, mas fora da temporada de verão muitas pessoas necessitam de tomar suplementos de vitamina D, adianta o estudo.

 

Um outro estudo associou a falta de vitamina D a estados depressivos. Também há referências que associam a sua deficiência a doenças cardiovasculares e problems ósseos. Previna-se e saiba que quantidade de vitamina D precisa por dia.

 

Artigo anterior

As sete tendências dos consumidores europeus para 2017

Próximo artigo

Inaugurado Museu Casa da Moeda