Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»DECO vai ajudar consumidores que se considerem enganados pela Master Copper

DECO vai ajudar consumidores que se considerem enganados pela Master Copper

A Associação de Defesa do Consumidor testou e concluiu que a frigideira anunciada na televisão é publicidade enganosa, tendo submetido uma queixa sobre a Master Copper à Direção-Geral do Consumidor. Agora vai ajudar os consumidores a reaverem o dinheiro.

Pinterest Google+

A Associação de Defesa do Consumidor vai ajudar os consumidores que se sentirem enganados pela Master Copper a reaverem o seu dinheiro, bastando para isso que estes preencham o formulário no seu site. De seguida, no prazo de 48 horas, a DECO contactará os consumidores registados com todas as informações de que necessitam para receberem o seu dinheiro de volta.

 

Recorde-se que a DECO testou esta e mais duas frigideiras no mercado para averiguar as promessas feitas por esta frigideira na televisão, após a associação ter recebido algumas queixas dos consumidores. Veja o vídeo da DECO abaixo.

 

 

«Confrontados com algumas queixas de consumidores, decidimos submeter a Master Copper a um exigente conjunto de testes laboratoriais, em que analisámos, uma por uma, todas as alegações publicitárias apresentadas pela marca. Para o efeito, selecionámos um laboratório com a acreditação e tecnologias necessárias para a realização de um estudo objetivo e isento», começa por explicar a DECO.

 

E continua: «Os resultados não podiam ser mais dececionantes: a Master Copper falha na comprovação de praticamente todas as alegações publicitárias que anuncia, incluindo até aquela que está na origem do seu nome – a composição 100 por cento cobre (copper em inglês). A análise microscópica realizada em laboratório assegura que se trata, sobretudo, de alumínio (não tendo sido possível determinar a composição do revestimento antiaderente)».

 

Neste contexto, a associação de defesa dos direitos dos consumidores decidiu ajudar todos os que se sintam defraudados a reaverem o seu dinheiro. «Dada a falsidade das alegações, entendemos que os consumidores podem devolver o produto e pedir o reembolso do dinheiro: têm dois anos para exercer este direito após a compra», explica.

Artigo anterior

Maior caça-sonhos do mundo tem quase dez metros de diâmetro

Próximo artigo

Endometriose: como se faz o diagnóstico