Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Planeta Terra a caminho das temperaturas de há 200 milhões de anos

Planeta Terra a caminho das temperaturas de há 200 milhões de anos

Um estudo da Universidade de Southampton prevê que o planeta aqueça para temperaturas não vistas desde o período Triássico, o que acontecerá daqui a 100-200 anos. Pouco depois, o clima pode atingir temperaturas não vistas desde há 420 milhões de anos. Conheça estas e outras evidências científicas por altura em que se celebra o Dia Mundial da Terra, a 22 de abril.

Pinterest Google+
PUB

Daqui a 100 anos – 200 anos, o planeta Terra vai voltar à temperatura que tinha há 200 milhões de anos, segundo um estudo da Universidade de Southampton, Inglaterra, que diz que o planeta deverá aquecer para temperaturas não vistas desde o período Triássico. As conclusões do estudo sugerem ainda que, se a humanidade queimar todos os combustíveis fósseis disponíveis no futuro, os níveis de CO2 contidos na atmosfera podem não ter nenhum equivalente geologicamente preservado, elevando as temperaturas para as do período de  há 420 milhões de anos.

 

O aquecimento global é tido como uma grande ameaça à vida na Terra, apesar de estar a ser escamoteado pela adminstração da maior potência do mundo, EUA, como uma invenção sem fundamento. A 22 de abril, celebra-se o Dia Mundial da Terra. Numa altura em que se aborda várias questões ambientais, é essencial ter conhecimento de evidências científicas para sustentar argumentos e evitar fundamentalismos.

 

Veja também: Benefícios de viver em contacto com a natureza

 

De seguida, apresentamos-lhe resultados de uma série de outros estudos científicos que mostram como estamos a destruir o nosso planeta, logo, a nossa casa e a dos restantes seres vivos com os quais co-habitamos.

 

Onda de calor destrói ecossistemas

De acordo com um novo estudo realizado por cientistas da Universidade de Deakin, Austrália, e New Southeastern University, EUA, o aquecimento global tem demonstrado ter a capacidade de mudar drasticamente os ecossistemas vitais.

 

Shark Bay, uma baía na Austrália, ganhou o seu status de Património Mundial, em parte, por causa dos seus 1.800 quilómetros quadrados de erva marinha, a que o site da UNESCO chama os ‘mais ricos do mundo’. Este vasto ecossistema subtropical hospeda milhares de tubarões, outros peixes, tartarugas marinhas, golfinhos, entre outros. No verão de 2011, surgiu uma onda de calor que resultou no aquecimento das águas e entre 70 a 90 por cento das ervas marinhas ficaram destruídas.

 

Veja também: Hotéis para se conectar com a natureza

 

As orquídeas estão sob ameaça

As orquídeas representam 10% das espécies de plantas do mundo e mais de 50% das orquídeas nativas na América do Norte estão listadas como ameaçadas ou em perigo em alguma parte da sua gama de origem. O botânico Dennis Whigham e os seus colegas estão a fazer os possíveis, no Smithsonian Environmental Research Center (SERC) em Edgewater, EUA, para conservar estas flores, ao estudarem a interação entre uma orquídea e um fungo.

 

Orquídeas e fungos têm uma complexa associação simbiótica na qual cada num dos estádios da vida das orquídeas são dependentes, em algum grau, de fungos específicos. Whigham atualmente está focado em orquídeas terrestres raras, do leste da América do Norte. O sonho passa por criar um centro de conservação desta espécie de orquídea.

Artigo anterior

Mulheres lideram todas as listas das 100 pessoas mais influentes do mundo reveladas pela ‘Time’

Próximo artigo

Rastreios cardiovasculares gratuitos em ambulância pão de forma