Home»S-Vida»Cuidados de saúde: humanização no atendimento

Cuidados de saúde: humanização no atendimento

Nenhuma tecnologia substitui a sensibilidade, o contato e o cuidado humano para com os utentes e os seus familiares. A prática diária da humanização no atendimento na área da saúde torna o processo mais qualificado, pois respeita a individualidade de cada ser e resolve o problema do utente com mais positividade. A 12 de maio celebra-se o Dia Internacional do Enfermeiro.

Pinterest Google+
PUB

Hoje em dia, diz-se que se pratica um atendimento humanizado na saúde. Infelizmente, isto não é verdade. Surge então a necessidade de se falar de humanização no atendimento na saúde quando se constata que a evolução ciência e técnica não tem sido acompanhada por um avanço correspondente na qualidade do contato humano.

 

As condições de trabalho, os baixos salários e a dificuldade na conciliação da vida familiar e profissional resultam numa sobrecarga de atividades e num cansaço constante, que gera um ambiente desfavorável ao desenvolvimento de um atendimento humanizado. Acrescentando ainda a tudo isto a falta de um ambiente adequado: de recursos humanos, materiais quantitativos e qualitativos insuficientes, e de remunerações dignas e motivações para o trabalho.

 

Considerando que mudar uma cultura é algo bastante complexo, para implementar uma melhoria no atendimento humanizado é necessário iniciar a discussão dessa temática logo durante a formação dos profissionais de saúde, de forma a prepará-los para um desempenho marcado de valores que realcem aspetos essenciais ao ser humano, demonstrando por meio das próprias atitudes que devemos tratar o próximo com igualdade, como um ser humano  que possui direitos, história e expectativa. Isto é realmente humanizar.

 

VEJA TAMBÉM: CONHECER E CONTROLAR A DIABETES COM SAÚDE POSITIVA

 

Verificam-se constantes evoluções tecnológicas na área da saúde, uma explosão de conhecimento, alcançados pelo desenvolvimento dos meios de comunicação, em particular da internet, e um enorme avanço da tecnologia, na prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças. Atualmente, atingimos níveis extremamente elevados de sofisticação na farmacologia, na tecnologia e nos procedimentos médicos. Parecendo que, de certa forma estamos no melhor dos momentos para o serviço nacional de saúde. As promessas e a esperança da engenheira genética surgem no horizonte e o conhecimento médico aumenta a cada dia. Literalmente, aproximamo-nos da condição de ter sucesso na resolução de centenas de problemas, diante dos quais éramos impotentes há alguns anos.

 

Nenhuma tecnologia substitui a sensibilidade, o contato e o cuidado humano para com os utentes e os seus familiares.

 

Profissionais sobrecarregados

Entretanto, é necessário escutar o grito de alerta, para a preservação de uma espécie em extinção: “A figura do profissional de saúde, no seu sentido mais humano”. Aquele profissional cuja imagem respeitável, amigo e confortável vem-se fragmentando nos últimos tempos. Tudo isto porque o distanciamento e a frieza entre o profissional e o utente provém em grande parte do nosso atual sistema de saúde, no qual não há sequer tempo para escutar o utente, agravando  isto as desfavoráveis condições oferecidas aos profissionais para a prática humanitária da sua profissão, e o aumento diário dos espaços críticos na comunicação social  sobre a precariedade do atendimento na saúde.

 

Equipas de profissionais sobrecarregadas, desmotivadas e stressadas, dando muito mais do que podem, para tentar salvar vidas,  submetem-se a períodos de trabalhos insanos, e com isso comprometendo a qualidade do seu trabalho. Enfim, um quadro triste e caótico. O problema é que quanto mais se tecniciza o sector da saúde, quanto mais máquinas se entrepõem entre o profissional e o utente, maior é a necessidade de se humanizar essa relação.

 

VEJA TAMBÉM: A ENFERMAGEM E A COMPETÊNCIA PARA O CUIDADO ESPIRITUAL

 

Humanização é uma expressão de difícil conceptualização. Oliveira (2006) considera que esta se caracteriza em colocar a cabeça e o coração na tarefa a ser desenvolvida, entregar-se de forma sincera e leal ao outro e saber ouvir com ciência e paciência as palavras e os silêncios.

 

A prática diária da humanização no atendimento na área da saúde torna o processo mais qualificado, pois respeita a individualidade de cada ser e resolve o problema do utente com mais positividade. Mais do que tratar uma patologia, a humanização do atendimento praticado pelos profissionais proporciona a visão holística do utente, ou seja, um ser bio-psico-socio-espiritual, fundamentado no conceito de integralidade do ser.

 

 

Através do respeito, da compreensão e da escuta das necessidades e das particularidades do utente, todos têm a ganhar. Alem disso, boas práticas de atendimento, que envolve o ambiente físico e a comunicação entre os profissionais e o utente, como também com os seus familiares, cria uma relação de confiança entre ambas as partes.

 

Para que os profissionais de saúde possam exercer a profissão com honra, dignidade e respeito pelo utente e a sua condição humana é necessário respeitar também o próprio profissional, oferecendo-lhe adequadas condições de trabalho, uma remuneração justa e o reconhecimento das suas atividades e iniciativas. É necessário que se entenda, também, que quando se fala em profissionais de saúde, referimo-nos a uma equipa multidisciplinar que envolve médicos, enfermeiros, psicólogos, assistentes operacionais, maqueiros, seguranças, etc.

 

A humanização no atendimento é um processo amplo, demorado e complexo, ao qual se oferecem resistências, pois envolve mudanças de comportamento, que despertam insegurança. Mas não podemos deixar que isso atrapalhe a execução desse processo, os benefícios tanto para o utente como para os profissionais são muito maiores do que qualquer dificuldade.

 

Por Elsa Fernandes

Enfermeira

 

Artigo anterior

Acorda cansado e sem energia e não sabe o que fazer para mudar isso?

Próximo artigo

Investir nas pessoas é a chave para se atingir a economia verde