Home»BEM-ESTAR»CORPO»Cuidados com os pés no verão: recomendações da Associação Portuguesa de Podologia

Cuidados com os pés no verão: recomendações da Associação Portuguesa de Podologia

Os pés encontram-se fechados durante dois terços da nossa vida, daí a pouca importância que lhes damos. No verão, a preocupação com o pé é maior devido à sua exposição, mas também é verdade que a falta de cuidados especiais aumenta o número de patologias nos membros inferiores.

Pinterest Google+
PUB

As unhas têm como função proporcionar o efeito de alavanca durante o caminhar e de proteção da zona distal dos dedos. São suscetíveis a microtraumatismos provocados pelo calçado apertado e vulneráveis a infeções fúngicas e a processos de onicocriptoses (unhas encravadas).

 

O cuidado com as unhas é igualmente importante, começando com um corte ungueal de forma correta e, perante lesões dermatológicas, o auto tratamento está contraindicado, já que o uso de material não adequado e, na maioria dos casos, não esterilizado, associado às limitações individuais, origina um risco elevado de erro. Atendendo às características das unhas e à sua composição, é igualmente recomendável a sua hidratação e preservação da morfologia. Não devem ser retiradas as “cutículas”, porque estas significam uma proteção e barreira para as infeções, e o corte das unhas deve ser realizado com alicate individual e de forma reta.

 

Desde que as unhas estejam em condições de saúde normal, sem qualquer alteração, podem ser pintadas durante períodos de tempo curto. Não se devem manter as unhas impermeabilizadas e sem luz mais que 7 dias, correndo o risco de ocultar alguma alteração na fase inicial. Sempre que existem alterações da unha, esta não deve ser pintada mas sim tratada.

 

O uso de meias ou peúgas é importante para um melhor controlo da humidade nos pés e para evitar as forças de atrito e fricção entre a pele e o calçado, como bolhas, queimaduras ou feridas. O calçado, para além de ser estável e protetor, deve ser de material natural e com caraterísticas de respirabilidade e sem compromissos de traumatismo. Ter atenção às sandálias com tiras, que podem provocar compromissos de circulação e risco vascular, se forem demasiado apertadas.

 

Devemos consultar um podologista sempre que existe qualquer sinal ou sintoma nos pés, ou no caso de não existirem alterações, realizar uma consulta de podologia uma vez por ano, como medida preventiva. O podologista é o profissional de saúde especializado na prevenção, diagnóstico e tratamento das patologias do pé.

 

Por Manuel Azevedo Portela

Presidente da Associação Portuguesa de Podologia

 

Artigo anterior

Poluição luminosa: Madeira instala laboratório para acompanhar impacto nas aves marinhas

Próximo artigo

Vida saudável: o verão pode ser o seu trampolim