Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Criada aplicação para ajudar portadores de esclerose múltipla

Criada aplicação para ajudar portadores de esclerose múltipla

A doença afeta cerca de 5000 portugueses e tem um impacto muito significativo na qualidade de vida dos doentes e das suas famílias. 

Pinterest Google+

A empresa Novartis acaba de lançar uma aplicação móvel – ‘Sym Trac’ – para ajudar as pessoas com esclerose múltipla (EM) a controlar os sintomas e o bem-estar em geral.

 

Esta nova aplicação é gratuita e está disponível no Google Play e na Apple Store. Inclui um leque de exercícios físicos para ajudar os doentes, permite guardar os registos dos medicamentos tomados e, ainda, colocar vários despertadores que alertem para a toma da medicação e para as consultas agendadas. Os dados introduzidos na aplicação podem ajudar os profissionais de saúde a perceber se o doente teve uma recaída e a decidir se há necessidade de alterar o tratamento, revela a empresa em comunicado.

 

Veja também: A história da corredora com esclerose múltipla

 

«Esta iniciativa reforça o nosso compromisso para com o doente na perspetiva de descobrir novas formas de melhorar as suas vidas», justifica Cristina Campos, diretora-geral da Novartis Portugal.

 

A esclerose múltipla afeta cerca de 5000 portugueses e são mais de 2,3 milhões de pessoas no mundo inteiro que sofrem com esta doença inflamatória crónica do sistema nervoso central. De acordo com um estudo recente focado na esclerose múltipla, 67% das pessoas falta ao trabalho por doença e 66% precisam de apoio adicional para realizar as tarefas diárias durante as recaídas.

 

Veja também: Saiba qual a importância da vitamina D para a nossa saúde

 

A doença manifesta-se principalmente nos jovens adultos, entre os 20 e os 40 anos de idade, e interfere com a  capacidade do doente em controlar funções ,como a visão, o movimento e o equilíbrio. Mais de 90% das pessoas com esclerose múltipla queixam-se de fadiga, constituindo um dos sintomas com maior impacto na qualidade de vida e produtividade dos doentes. As mulheres têm duas vezes mais probabilidades de desenvolver EM do que os homens.

 

 

 

Artigo anterior

Projeto brasileiro denuncia exploração animal

Próximo artigo

Atrizes de Hollywood lutam pela igualdade de género