Home»COVID-19»COVID-19 torna dieta vegana ainda mais apelativa para os jovens

COVID-19 torna dieta vegana ainda mais apelativa para os jovens

Os millennials lideram um movimento de regresso à fruta e aos vegetais, mas toda a população está mais virada para o consumo deste tipo de alimentos, segundo uma nova pesquisa da consultora Mintel. Os cítricos ocupam um lugar de destaque neste movimento acelerado pela pandemia.

Pinterest Google+

Uma dieta repleta de grão de bico, lentilhas e quinoa está a tornar-se mais tentadora e a ‘culpa’ é da pandemia causada pelo novo coronavírus, revela uma nova pesquisa da consultora Mintel, realizada no Reino Unido. Os millennials são os mais entusiastas, com 25%dos jovens britânicos (de 21 a 30 anos) a afirmarem que a COVID-19 tornou a dieta vegana mais atraente.

 

Mas estes jovens amantes de plantas não estão sozinhos, pois a pesquisa revela que uma dieta vegana está a tornar-se mais interessante, desde o início de a pandemia, para 12% de todos os britânicos, aumentando para 22% quando se cinge aos londrinos.

 

Isso ocorre porque, segundo a pesquisa, existe uma forte crença no poder de cura das plantas, pois metade dos britânicos (51%) acredita que ingredientes vegetais / botânicos, como ervas e especiarias, podem ter benefícios medicinais para, por exemplo, tratar doenças.

 

VEJA TAMBÉM: BOLINHOS DE FALAFEL NO FORNO: JÁ ADERIU AOS QUERIDINHOS DA ALIMENTAÇÃO VEGANA?

 

Cumprir uma dieta saudável também é uma prioridade, pois 23% dos britânicos dizem que estão a comer mais fruta e vegetais desde o início do surto.  Cerca de 31% da geração Z (jovens com 20 anos ou menos) e 27% da geração Y (jovens de 21 a 40 anos) estão a manter os seus frigoríficos bem abastecidos com estes produtos saudáveis. Um particular destaque é dado aos frutos cítricos, com 66% dos britânicos a acreditarem que consumir vitamina C ajuda a fortalecer o sistema imunitário. No geral, quase 37% dos britânicos dizem que o surto de COVID-19 os levou a consumir mais nutrientes que ajudam a fortalecer o sistema imunitário.

 

«As pessoas querem que o mundo mude para melhor e estão à procura de formas de mostrar compaixão. Para os consumidores que querem saber como fazer a diferença de forma positiva, cortar na proteína animal pode ser visto como uma maneira de enfrentar a crise climática, mostrar compaixão pela natureza e aumentar a ingestão de nutrientes», explica Alex Beckett, diretor associado da Mintel Food & Drink.

 

«Mesmo antes da disseminação da COVID-19, estávamos a ver um interesse crescente em alimentos e bebidas à base de plantas nos mercados globais. Pode ser que a pandemia esteja a acelerar essa tendência. Por exemplo, na China, vimos as vendas a disparar nas novas opções de produtos à base de plantas da KFC e da Pizza Hut», acrescenta.

 

VEJA TAMBÉM: CONHEÇA MELHOR A DIETA E FILOSOFIA VEGANAS

 

O certo é que o confinamento teve um impacto duradouro nos hábitos alimentares dos consumidores. Quase 37% dos consumidores acreditam que, no futuro, as pessoas comprarão alimentos e bebidas de longa duração (por exemplo, leite UHT, alimentos enlatados) com mais frequência como resultado do surto de COVID-19, chegando aos 47% na geração Z e  45% na geração Y. Enquanto isso, um em cada sete britânicos (17%) consome mais alimentos enlatados desde que surgiu a COVID-19, aumentando para 25% na geração Z e 21% nos millennials.

 

Promovendo uma mentalidade de “não ao desperdício”, quase sete em cada dez (69%) britânicos dizem que o surto os incentivou a desperdiçar menos alimentos em casa. Finalmente, a pesquisa revela que o vírus criou um interesse em cozinhar, já que mais da metade (55%) diz que cozinha mais desde a COVID-19 do que antes.

 

«Antes do surto, os jovens geralmente optavam por alimentos frescos e convenientes que não demoravam muito para serem preparados. Mas agora com mais tempo em casa e sem restaurantes ou cafés plenamente abertos, a comida feita de raiz mostrou vantagens claras. Não ocupa um espaço precioso no congelador e dura um bom tempo, tornando-se adequada para a vida em quarentena e resultando em menos idas às compras. É acessível e mais nutritiva», conclui o especialista.

 

A pesquisa foi realizada junto de dois mil internautas britânicos com mais de 16 anos.Veja na galeria acima algumas dicas para começar a construir a sua dieta vegana.

 

 

 

 

Artigo anterior

Pico dos divórcios é em março e agosto

Próximo artigo

Hambúrguer de feijão: a opção vegetariana com todo o sabor