Home»COVID-19»COVID-19: asma não é fator de risco, diz SPAIC

COVID-19: asma não é fator de risco, diz SPAIC

Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica informa que não há evidencias científicas dessa agravante, mas que doentes asmáticos e também com rinite alérgica devem manter as suas condições controladas.

Pinterest Google+
PUB

Em resposta às dúvidas e preocupações manifestadas por vários doentes asmáticos, a Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC) informa que ter asma não é um fator de risco para contrair a doença.

 

«Embora as informações ainda sejam escassas e, por isso, possam ser imprecisas, a asma, por si só, não parece ser um fator de risco para contrair a infeção pelo coronavírus nem para ter formas mais graves desta doença. No entanto, a asma que não esteja bem controlada poderá contribuir para uma maior gravidade do quadro que se associe à eventual infeção COVID-19 em asmáticos».

 

VEJA TAMBÉM: COVID-19: MAPAS PARA ACOMPANHAR AO MOMENTO SITUAÇÃO EM PORTUGAL E NO MUNDO

 

Assim, a SPAIC recomenda a todas as pessoas com asma e também a todas as pessoas com rinite alérgica que, para além das medidas preconizadas de higiene e de isolamento social, mantenham uma boa adesão ao tratamento preventivo diário. Os medicamentos devem ser tomados nas doses e à hora recomendada pelo médico alergologista assistente para que se consigam prevenir ao máximo eventuais crises asmáticas.

 

Em caso de crise, indica a SPAIC, «os doentes deverão reforçar a sua medicação de acordo com o plano que o seu alergologista tenha elaborado, procurando não recorrer a serviços de urgência hospitalares a não ser que seja estritamente necessário».

 

Em tudo o resto, deverá seguir as indicações da Direção-Geral da Saúde e, se tiver qualquer situação que não consiga controlar por si, deverá contactar a linha SNS 24, aguardando pelas indicações sobre como deverá proceder em seguida.

 

Leia mais sobre COVID-19 neste link.

 

Artigo anterior

Astrologia: a nova pandemia e as correlações astrológicas

Próximo artigo

Assimetria mamária: o outro lado do espelho