Home»BEM-ESTAR»CORPO»Correr na rua é igual a correr na passadeira?

Correr na rua é igual a correr na passadeira?

A resposta é um redondo NÃO! A simulação em máquina não é igual ao movimento natural e isto tem consequências bastante óbvias no corpo humano.

Pinterest Google+

Um estudo levado a cabo por 4,9 anos, com 4610 adultos entre os 20 e os 81 anos, concluiu que algumas das atividades mais relacionadas com lombalgia, ou dores na zona lombar, são as máquinas de ginásio e os alongamentos. Entre os menos lesivos, estão os exercícios com pesos livres, os calisténicos e as aulas de flexibilidade.

 

Ora, como isto “dá pano para mangas”, irei abordar estes resultados em várias crónicas, em que esta é a primeira de uma série. Em primeiro lugar, relativamente ao treino em sala de exercício, em que os resultados do estudo apontaram para o facto de que os exercícios em máquinas provocaram mais dor lombar do que os com pesos livres (halteres, barras, etc.), para nós, profissionais, é relativamente óbvio e esperado.

 

Veja também: Porque é que correr nos faz felizes?

 

E que tipos de máquinas temos nos ginásios em geral? Máquinas de cardio e máquinas de musculação. Hoje vamos falar de máquinas de cardio, em especial da passadeira ou tapete rolante, e responder à clássica questão: será que correr na passadeira é igual a correr na rua? A resposta é um redondo NÃO!

 

Se reparar, as máquinas de cardio destinam-se a treinar movimentos como a caminhada, a corrida, a pedalada, a remada, e outros. Se falarmos de movimentos que fazem parte do padrão genético de locomoção da nossa espécie, como a marcha e a corrida, a simulação em máquina não é igual ao movimento natural! Ou seja, em vez de estarmos a treinar o movimento com o recrutamento muscular natural, estamos a simular o movimento com um tapete que passa por baixo dos nossos pés, e isto tem consequências bastante óbvias!

 

Veja também: Sou sedentário e quero começar a correr

 

Já reparou que, ao andar rapidamente na rua, existe uma tendência para inclinar todo o corpo para a frente? Agora repare como caminha na passadeira: o corpo inclina-se para trás! A alteração do centro de gravidade condiciona todo o recrutamento muscular por parte do sistema nervoso central!

Artigo anterior

76 por cento dos casos de delirium não são identificados pelos profissionais de saúde

Próximo artigo

Festival Seaside Sunset Sessions traz eletrónica de regresso à Pampilhosa da Serra