Home»COVID-19»Coronavírus: 25 mitos desmistificados

Coronavírus: 25 mitos desmistificados

Enquanto que a Covid-19 continua a preencher os escaparates da informação um pouco por todo o mundo, muitas são as informações contraditórias e os mitos que se vão instalando. De seguida, desvende a verdade por detrás de alguns mitos e teorias da conspiração.

Pinterest Google+

O novo coronavírus, identificado como SARS-CoV-2, espalhou-se desde Wuhan, na China, para todos os continentes do mundo à exceção da Antártica. Tal fez com que a Organização Mundial de Saúde tivesse declarado pandemia mundial a 11 de março passado.

 

O vírus é responsável por milhões de infeções em todo o mundo, causando centenas de milhares de mortes e instalando o medo E com este surgem os mitos, desinformação, rumores e teorias da conspiração. De seguida enumeramos alguns mitos mais comuns que circulam pela Internet, compilados pelo site ‘Medical News Today’.

 

1 – Pulverizar cloro ou álcool na pele mata o vírus no corpo

A aplicação de álcool ou cloro no corpo pode causar danos, especialmente se entrar em contacto com os olhos ou boca. Embora as pessoas possam usar esses produtos químicos para desinfetar superfícies, eles não devem ser usados ​​na pele. Para isso existem os produtos próprios, como álcool gel ou sabão.

 

2 – Apenas idosos e jovens estão em risco

O SARS-CoV-2, como outros coronavírus, pode infetar pessoas de qualquer idade. No entanto, idosos e indivíduos com condições de saúde preexistentes, como diabetes ou asma, têm maior probabilidade de ficar gravemente doentes.

 

3 – Crianças não contraem COVID-19

Todas as faixas etárias podem ser infetadas por SARS-CoV-2. Até agora, a maioria dos casos ocorreu em adultos, mas as crianças não são imunes. De facto, evidências preliminares sugerem que as crianças têm a mesma probabilidade de contrair o vírus, mas os seus sintomas tendem a ser menos graves.

 

VEJA TAMBÉM: COVID-19: ESTUDO CONCLUI QUE A TERAPIA COM PLASMA É SEGURA COM MELHORIA EM 76% DOS PACIENTES

 

4 – A COVID-19 é como a gripe

O SARS-CoV-2 causa uma doença que apresenta sintomas semelhantes aos da gripe, como dores, febre e tosse. Da mesma forma, a COVID-19 e a gripe podem ser leves, graves ou, em casos raros, fatais. Ambos também podem levar à pneumonia. No entanto, o perfil geral da COVID-19 é mais sério. As estimativas variam, a mas sua taxa de mortalidade parece estar entre 1% e 3%. Embora os cientistas ainda estejam a calcular a taxa exata de mortalidade, é provável que esta seja muito mais alta que a da gripe sazonal.

 

5 – Todas as pessoas que contraem COVID-19 morrem

Esta afirmação é falsa. A COVID-19 é fatal apenas para uma pequena percentagem de pessoas. Relatórios realizados e a própria OMS indicam que cerca de 80% dos casos de COVID-19 são leves, não exigindo tratamento especializado num hospital. Os sintomas leves podem incluir febre, tosse, dor de garganta, cansaço e falta de ar.

 

6 – Gatos e cães espalham o coronavírus

Atualmente, existem poucas evidências sugerindo que o SARS-CoV-2 possa disseminar-se através de gatos e cães. No entanto, em Hong Kong, um cão cujo dono tinha COVID-19 também contraiu o vírus. O cão não apresentou nenhum sintoma. Também uma nova pesquisa realizada nos EUA confirma que os gatos podem contrair o vírus de humanos e transmitir a outros gatos. Porém, a transmissão gato-humano não está provada. «Temos de diferenciar entre infeção real e apenas detetar a presença do vírus. Ainda acho questionável a relevância do surto humano, já que a maior parte do surto global foi causada pela transmissão de humano para humano. Precisamos descobrir mais, mas não entrar em pânico – duvido que possa espalhar-se para outro cão ou humano por causa dos baixos níveis do vírus. O verdadeiro condutor do surto são os humanos», explica Jonathan Ball, professor de virologia molecular na Universidade de Nottingham, Reino Unido, ao Medical News Today’.

 

VEJA TAMBÉM: COVID-19: QUAIS OS RISCOS PARA OS FUMADORES? A DGS RESPONDE

 

7 – As máscaras protegem sempre contra o coronavírus

Os profissionais de saúde usam máscaras faciais profissionais, que se ajustam firmemente ao redor do rosto, para se protegerem de infeções. Máscaras descartáveis ​​e de tecido podem proteger contra gotículas, mas não podem proteger contra partículas em aerossol. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) recomendam que todas as pessoas usem máscaras de pano em locais públicos, onde é difícil manter uma distância de dois metros dos outros. Isso ajudará a retardar a propagação do vírus por pessoas assintomáticas e por aqueles que não sabem que o contraíram. Ao usar uma máscara é essencial continuar com outras precauções, como não tocar no rosto e praticar distanciamento físico. As máscaras cirúrgicas e os respiradores N95 oferecem maior proteção, mas são reservados apenas para profissionais de saúde.

 

8 – Secadores de mãos matam o coronavírus

Secadores de mãos não matam o coronavírus. A melhor maneira de proteger-se e aos outros é lavar as mãos com água e sabão ou com uma solução à base de álcool.

 

9 – SARS-CoV-2 é apenas uma forma mutada da constipação comum

Os coronavírus são uma grande família de vírus, todos com proteínas pontiagudas na sua superfície. Alguns desses vírus usam humanos como o seu principal hospedeiro e causam a constipação ou gripe comuns. Outros coronavírus, como o SARS-CoV-2, infetam principalmente animais. A síndrome respiratória do Médio Oriente (MERS) e a síndrome respiratória aguda grave (SARS) começaram em animais e passaram para os seres humanos.

 

10 – É preciso estar com alguém durante 10 minutos para contrair o vírus

Quanto mais tempo alguém fica com uma pessoa que o possui, maior a probabilidade de ele próprio apanhar o vírus, mas é possível contraí-lo em menos de 10 minutos.

 

Continua na próxima página…

Artigo anterior

Já sabe como proceder quando for a um restaurante? Conheça as recomendações da DGS

Próximo artigo

As 20 perguntas que deve fazer antes de procurar um novo emprego