Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Consumo de soja aumenta fertilidade

Consumo de soja aumenta fertilidade

O consumo de soja é mais recorrente numa alimentação de origem vegetal, pois funciona como um substituto proteico da carne. Os benefícios deste grão estão associados à prevenção de doenças crónico-degenerativas e à osteoporose, mas segundo este estudo os benefícios não ficam por aqui.

Pinterest Google+
PUB

Um consumo regular de soja pode aumentar as possibilidade de gravidez, entre mulheres submetidas a tratamentos de infertilidade com taxas de sucesso pobres, segundo um novo estudo realizado por uma equipa de investigadores da Escola de Saúde Pública de Gerald Chan Harvard, nos Estados Unidos. O estudo foi publicado, em 28 de janeiro de 2016, no ‘Jornal de Endocrinologia Clínica e Metabolismo’.

 

Este é o primeiro estudo que evidencia uma possível interação entre a soja e bisfenol A (BPA) nos humanos. BPA é um produto químico encontrado no recipientes de plástico de comida (garrafas de água, revestimento de latas, etc). Este químico pode imitar o estrogénio, uma das principais hormonas sexuais encontradas nas mulheres. Estudos anteriores conectam o BPA com problemas de saúde, incluindo distúrbios reprodutivos.

 

Os investigadores analisaram a relação entre a exposição ao BPA, dieta e taxas de sucesso, entre 239 mulheres que realizaram pelo menos um ciclo de fertilização in vitro (FIV), no Centro de Fertilidade do Hospital General de Massachusetts entre 2007 e 2012.

 

Veja a galeria: Como diminuir a tensão pré-menstrual através da alimentação

 

O estudo constatou que, no grupo de mulheres que não consumiam soja, os níveis urinários elevados de BPA foram associados a menores possibilidades de implantar um embrião com sucesso. Poucas foram as gravidezes que avançaram até ao ponto em que o feto é visível através de um ultrassom e poucos foram os nascimentos. Contudo, o BPA não teve impacto sobre os resultados de fertilização in vitro entre as mulheres que consumiam regularmente soja.

 

«O nosso estudo destaca (…) a possibilidade de que os efeitos na saúde de produtos químicos ambientais podem ser modificados devido a fatores relacionados com estilos de vida como, por exemplo, a dieta», disse Jorge Chavarro, autor principal do estudo.

 

Tendo em conta os resultados do estudo, assim como de estudos anteriores, concluiu-se que o consumo de soja ou de suplementos que contenham soja aumentam a possibilidade de uma mulher conseguir engravidar e de que essa gravidez chegue ao fim com sucesso. Segundo Chavarro, as mulheres submetidas a tratamentos de infertilidade deviam considerar a hipótese de comer mais soja. As mulheres que beneficiaram do consumo de soja comeram refeições baseadas neste grão – hambúrgueres vegetarianos à base de soja, tofu, tempeh – a cada dois ou três dias.

Artigo anterior

OMS é contra o tabaco no cinema

Próximo artigo

Para quando um Ken gordinho?