Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Consumidores aumentam consumo de leites vegetais

Consumidores aumentam consumo de leites vegetais

Um estudo realizado no Reino Unido mostra que quase um quarto dos consumidores já opta pelas vertentes à base de plantas. Já entre as camadas mais jovens essa percentagem sobe para 33%. Aveia, coco e amêndoa são os sabores prediletos.

Pinterest Google+

Jovens perdem gosto pelo leite de vaca

O uso de leite de vaca entre os jovens dos 16 aos 24 anos caiu de 79% em 2018 para 73% em 2019. Embora o leite de vaca ainda seja responsável pela grande maioria das vendas de leite branco em 2018 (96 %), o uso desse favorito da família é cada vez mais direcionado aos consumidores mais velhos, com um pico de 92% entre os maiores de 45 anos.

 

Essa queda no consumo entre os jovens ocorre quando 37% dessa faixa etária dizem ter reduzido o consumo de leite de vaca nos últimos 12 meses por motivos de saúde. Preocupações ambientais também estão desempenhando um papel, com 36% destes jovens a concordarem que a pecuária leiteira tem um impacto negativo no meio ambiente. O consumo significativamente menor de leite de vaca entre as gerações mais jovens também está de acordo com o facto de esses consumidores estarem mais propensos a evitar os laticínios, nomeadamente 26% dos menores de 35 anos.

 

«Com o volume de vendas de leite de vaca já em tendência de queda, o facto de mais consumidores jovens estarem a afastar-se desses produtos não é um bom presságio para as perspetivas desse segmento a longo prazo», refere Emma Clifford.

 

VEJA TAMBÉM: BRANCO, DE LEITE OU NEGRO? CONHEÇA A TABELA NUTRICIONAL DO CHOCOLATE

 

Ética na produção

A pesquisa da Mintel destaca a importância da ética e do meio ambiente para a indústria do leite e laticínios, já que um terço (33%) dos consumidores de leite, bebidas lácteas e cremes está interessado em produtos condicionados totalmente ou parcialmente em embalagens de plástico reciclado. Enquanto isso, um quarto (27%) está interessado em produtos com garantia de agricultura sustentável. Cerca de um em cada sete (15%) estaria interessado em produtos com uma declaração na embalagem de quantos dias os animais passaram ao ar livre.

 

«A cobertura dos media sobre questões éticas e ambientais em torno da pecuária tem ajudado a consciencializar os consumidores sobre esses fatores. O interesse ético é de grande importância para o setor de bebidas lácteas, leite e nata, especialmente porque neste mercado a diferenciação é um desafio. O interesse em produtos éticos – incluindo aqueles que usam plásticos reciclados, redução de resíduos plásticos, agricultura sustentável e apoio ao bem-estar dos animais – oferece oportunidades para agarrar os consumidores, criar pontos de diferença e encorajar as pessoas a gastar um pouco mais de dinheiro», conclui a analista.

 

Artigo anterior

Alimentação sem glúten: benéfica ou maléfica para a saúde?

Próximo artigo

Utilizadores de protetor solar recebem menos de metade da proteção que pensam